Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de dezembro de 2018.
Dia do Petroquímico. Dia do Salva-Vidas.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Pedro Luiz Passos

Opinião Econômica

Edição impressa de 28/12/2018. Alterada em 27/12 às 23h28min

Não é hora de improvisar

Apesar da polêmica em países às voltas com desemprego e problemas migratórios e de provocar discursos revisionistas em setores da diplomacia brasileira, a globalização sobreviveu ao teste da cúpula do Grupo dos 20 (G-20) em Buenos Aires, mas continua o suspense neste novo mundo de tendências nacionalistas.
Os governos do G-20 concordaram em reformar o estatuto da OMC, contrariando os maus agouros que antecederam o encontro. E o fizeram por unanimidade, ficando para o fim, à parte do consenso multilateral, as desavenças entre Estados Unidos e China.
Muito antes de Donald Trump, o obeso déficit comercial dos EUA com a China mobiliza os presidentes americanos, sem resultados. O último superávit comercial dos EUA se deu na década de 1970. A combinação de interesses funcionou enquanto a supremacia econômica, militar e tecnológica pendeu aos EUA, com a China sem, aparentemente, outras pretensões que tirar da pobreza seus 1,3 bilhão de habitantes.
Não é mais assim. A China caminha para ultrapassar os EUA em gigantismo econômico, o poderio militar já é expressivo, passou a disputar influência geopolítica em toda parte, inclusive aqui no Brasil, e investe pesado nas ciências de ponta que definirão os próximos campeões globais - inteligência artificial, indústria 4.0, fintechs etc.
O que está em cena é um rival com ambições múltiplas.
É isso que sacode a ordem econômica global. Trump se elegeu alardeando a decadência dos EUA e abriu as negociações com o porrete na mão: aplicou tarifas sobre importações chinesas e ameaçou estendê-las a todo o comércio bilateral. A ameaça foi suspensa no G-20, mas os riscos de guerra comercial continuam ameaçadores.
Toda a prudência é pouca. Mais peão que tabuleiro neste jogo, ao governo brasileiro cabe ajudar no que puder e não tomar partido na contenda entre os dois gigantes. Os EUA têm o maior estoque de investimentos no país e a China é nosso maior importador, além de investidor ascendente.
Não se pode improvisar em política externa. Sua formulação deve guardar sintonia com as diretrizes para o comércio exterior e atender aos interesses próprios do país, evitando, inclusive, o alinhamento automático aos EUA, como têm insinuado membros do novo governo. Qualquer posicionamento em temas globais deveria resultar de muito cálculo e nenhuma paixão.
A desistência do Brasil de sediar a Conferência do Clima em 2019, bem como a promessa do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de reverter a adesão ao Acordo de Paris, sinaliza incompreensão sobre nosso protagonismo nas questões ambientais. Não estão sendo devidamente consideradas as vantagens, inclusive econômicas, resultantes de nossa riqueza ambiental.
A transferência da embaixada em Israel para Jerusalém, outro tema controverso aventado por ele, provoca reações negativas e possíveis danos ao fluxo de comércio com países do Oriente Médio. Revela também açodamento rejeitar o Pacto Global da Migração da ONU no mesmo dia em que o acordo foi aprovado por mais de 150 países, "por se tratar de um instrumento inadequado para lidar com o problema", como declarou o futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.
As transformações observadas na geopolítica mundial já são suficientemente complexas para abrirmos novas frentes difíceis de administrar e sem maior significado para a projeção externa da economia e do País. Frases de efeito em redes sociais podem ter sido úteis na campanha eleitoral, mas agora é tempo de fincar os pilares de uma estratégia coerente com as verdadeiras necessidades do País.
Empresário, conselheiro da Natura
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Leonardo Huyer 28/12/2018 14h57min
Os empresários antigos e mal informados não conseguem entender o mundo que está se desenvolvendo.Os USA são protecionistas agora com Trump?Vai vender um avião da Embraer na China e vê se não precisa de autorização do governo Chinês.Deveríamos entender o que é globalização e globalismo para discutir o assunto e não cometer enganos.