Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 29 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Laura Carvalho
Laura Carvalho

Opinião Econômica

Edição impressa de 29/11/2018. Alterada em 28/11 às 22h22min

O peso da economia

A eleição de Donald Trump nos EUA, o voto pelo Brexit no Reino Unido e o crescimento de candidaturas caracterizadas como populistas - à direita e à esquerda - em diversos países europeus nos últimos pleitos eleitorais vêm suscitando intenso debate acerca das particularidades e dos traços comuns a esses fenômenos.
Uma das principais linhas de investigação nas áreas de ciências sociais aplicadas vem sendo a de identificar o peso da maior insegurança econômica, de um lado, e de fatores como o racismo, o sexismo, a xenofobia e o conservadorismo moral, de outro, na explicação dos padrões de votação observados.
Como no caso de todo fenômeno complexo, as causas são múltiplas. As condições econômicas podem, por exemplo, estar associadas a fatores de natureza cultural ou comportamental típicos do voto conservador, na medida em que eleitores procuram culpados para a piora de sua situação material.
Feita esta ressalva, diversos estudos concluíram que os fatores econômicos foram fundamentais para o crescimento dessas candidaturas antissistema nos países ricos.
Um estudo de Jacob Bor publicado em 2017, mostrou, por exemplo, que a maior migração de votos para o Partido Republicano nos EUA entre 2008 e 2016 ocorreu nas localidades com menor crescimento da expectativa de vida.
Já Andrew Healy e Gabriel Lenz (2016) encontraram que a migração de votos para Trump foi maior onde o crescimento dos salários foi mais lento.
Ao separarem a base de dados por raça, Jon Green e Sean McElwee (2018) encontram evidência de que a perda do emprego aumentou a probabilidade do voto em Trump, no caso dos eleitores brancos, e a probabilidade do não comparecimento à urnas de eleitores negros.
Quanto aos efeitos da globalização, os estudos de Christian Dippel, Robert Gold e Stephan Heblich (2016) para o caso alemão, David Autor, David Dorn, Gordon Hanson e Kaveh Majlesi (2017) para o caso norte-americano e Clément Malgouyres (2017) para o caso francês mostram que o apoio à extrema direita aumentou nas localidades que mais sofreram com a entrada de produtos importados.
Em artigo de 2017, Sascha Becker, Thiemo Fetzer e Dennis Novy concluem que é possível prever razoavelmente bem o voto a favor do "brexit" no Reino Unido a partir das características socioeconômicas que explicam o voto em Marine Le Pen, na França, e vice-versa.
No estudo, a qualidade dos serviços públicos e a exposição ao comércio e à imigração explicam uma parte pequena da variação na distribuição dos votos entre as localidades dos dois países. A maior parte dessa variação parece ser explicada pela idade e pelo nível educacional do eleitor.
No entanto, como apontam os autores, o nível educacional pode estar captando também o nível de fragilidade econômica do eleitor, ou mesmo a maior suscetibilidade à propagação de notícias falsas, por exemplo.
A comparação entre esses fenômenos e as eleições brasileiras de 2018 exige muito cuidado. Para além de particularidades que envolvem desde o papel das igrejas evangélicas à desilusão causada pelos sucessivos escândalos de corrupção e sua espetacularização, há enorme diferença quanto à nossa inserção no comércio internacional e nos fluxos migratórios globais.
Ainda assim, o fato de as eleições presidenciais terem ocorrido logo após uma das maiores crises -e em meio à mais lenta das recuperações- da história econômica brasileira não pode ser descartado, a priori, como explicação de parte desse resultado. A ausência desse tema no debate em curso é, no mínimo, mau sinal.
Professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, autora de "Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico"
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia