Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Benjamin Steinbruch
Benjamin Steinbruch

Opinião Econômica

Edição impressa de 04/09/2018. Alterada em 03/09 às 21h55min

É o professor, candidato

Ao falar de educação, é difícil fugir da observação saudosista de quem teve na infância, décadas atrás, adoração pela primeira professora cujo nome nunca esqueceu: dona Soledade. Era um tempo em que os professores, inclusive do curso primário (essa denominação também não existe mais), tinham status na sociedade.
Hoje, às vésperas de uma eleição presidencial, todas as campanhas põem em destaque a educação. Nenhum dos candidatos é tão maluco a ponto de esquecer desse tema em seu programa. Os dados divulgados na semana passada, por exemplo, mostram que os alunos do Ensino Médio sabem menos matemática e português hoje do que 20 anos atrás. Mas vale a pena prestar atenção em um ponto: quantos candidatos colocam em prioridade a valorização da profissão de professor.
Ao próximo presidente caberão tarefas árduas. Terá de recolocar o País rapidamente em crescimento econômico, para reduzir o desemprego. Terá de avançar nas reformas para cortar déficit público. Terá de conter a criminalidade. E terá de organizar o setor de saúde.
Sua gestão, porém, não será lembrada pela história se descuidar da educação e, principalmente, da valorização e formação de professores.
Só para dar um exemplo, o governo federal investiu no ano passado R$ 19 bilhões no financiamento de alunos de universidades privadas. Não é dinheiro jogado fora, precisamos apoiar o Ensino Superior. Mas, a título de comparação, observo que neste ano está previsto investimento de apenas R$ 1 bilhão em 190 mil vagas de estágios, residência pedagógica e formação de professores.
Há um piso nacional "baixo" para o salário do professor, de R$ 2.455,35 para jornada de 40 horas semanais. E, na prática, metade dos estados e municípios ainda pagam menos, porque têm autonomia para definir a duração da jornada.
A comparação dos salários lá de fora com os daqui é um vexame. Em média, nos países desenvolvidos, os professores ganham cerca de US$ 8 mil por mês, o equivalente a R$ 33 mil. Essa profissão ilustre não será valorizada sem uma remuneração digna aos que optam por ela.
E não se trata apenas de salário. Os países com sistemas educacionais de alto desempenho, como Cingapura, investem pesadamente no desenvolvimento profissional do professor. Na Finlândia, os professores gastam apenas 60% de seu tempo de trabalho na sala de aula. Os outros 40% são dedicados ao aperfeiçoamento e à avaliação do desempenho dos alunos.
Há quem imagine que, no mundo de hoje, com informações saindo pelo ladrão, via internet, o professor deixou de ser importante. Não é bem assim. Barbara Bruns e Javier Luque, autores de um robusto volume denominado "Professores Excelentes", sobre a educação na América Latina, observam que "o principal papel dos professores hoje é equipar os alunos para buscar, analisar e usar grandes quantidades de informações que estão prontamente disponíveis na internet".
A tendência natural é dizer que valorizar o professor é proposta bonita, mas inviável pela falta de dinheiro. Balela. Com criatividade e perseverança, podemos buscar recursos em várias áreas, na iniciativa privada, no pagamento seletivo de mensalidades em universidade públicas, nas parcerias para pesquisa e investimentos. No futuro, nossos filhos, netos e bisnetos agradecerão.
Diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional, vice-presidente da Fiesp. É formado em administração pela FGV
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia