Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de julho de 2018.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Laura Carvalho
Laura Carvalho

Opinião Econômica

Edição impressa de 26/07/2018. Alterada em 25/07 às 22h54min

Errantes navegantes

O FMI reduziu as projeções de crescimento da economia brasileira de 2,3% para 1,8% em 2018.
Embora o relatório tenha responsabilizado sobretudo a paralisação dos caminhoneiros e incertezas ligadas às eleições deste ano, não é a primeira vez que o Fundo muda suas expectativas de crescimento para o nosso PIB desde o início da crise: foram mais de 10 revisões no crescimento projetado desde abril de 2014.
O grande número de alterações faz lembrar a sucessão de erros do Fundo quando projetou a retomada das economias da periferia europeia no pós-crise. As frustrações foram tantas que levaram seu departamento de pesquisa a fazer um mea-culpa, com grande repercussão à época.
No artigo intitulado "Growth Forecast Errors and Fiscal Multipliers", publicado em janeiro de 2013, os autores, o então economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard, e o pesquisador Daniel Leigh, concluíram que, "nas economias avançadas, consolidações fiscais mais fortes estiveram associadas a um crescimento menor que o esperado".
"Uma interpretação natural é que os multiplicadores fiscais foram substancialmente mais altos do que o assumido implicitamente pelos que realizavam as projeções", resumiram.
Quando confrontados com a forte evidência empírica de que os cortes de gastos e investimentos públicos adiaram muito a retomada em países como Grécia e Portugal, muitos analistas sustentam a tese de que nosso caso é diferente.
Nas economias latino-americanas, os multiplicadores fiscais, que medem o tamanho da redução do nível de renda e emprego nas economias após um corte nos gastos públicos, por exemplo, seriam menores do que nos países ricos. Alguns chegaram a defender a visão extrema de que, nos trópicos, os cortes no Orçamento poderiam até estimular o crescimento.
Os resultados de um novo estudo publicado pelo FMI, em junho de 2018, contradizem essa tese. No Working Paper 18/142, intitulado "Macroeconomic Effects of Fiscal Consolidation in Emerging Economies: Evidence from Latin America", os pesquisadores Yan Carrière-Swallow, Antonio David e Daniel Leigh montaram nova base de dados a partir dos ajustes fiscais anunciados e implementados nos países latino-americanos entre 1989 e 2016 e concluíram que a redução dos diferentes componentes do PIB causada pelos cortes de gasto e/ou aumentos de imposto é de magnitude muito similar à encontrada para os países ricos.
As estimativas do estudo sugerem que um corte de gastos no valor de 1% do PIB provoca contração de 0,9% na renda das economias da América Latina após dois anos, ante 0,7% nos 17 países da OCDE que compõem a base de dados analisada. Já o efeito sobre o desemprego é um aumento de 0,3 p.p. (ponto percentual) na América Latina, ante 0,5 p.p. nos países ricos, que têm grau menor de informalidade.
As evidências acumuladas ao redor do mundo apontam para um efeito ainda maior no caso de um ajuste baseado no corte de investimentos públicos: o estudo de Manoel Pires de 2014, por exemplo, estimou um multiplicador de investimentos de 1,4 para o Brasil (ante -0,28 no caso das elevações de imposto).
Diante da queda no total de investimentos feitos por governos estaduais, municipais, federal e empresas estatais de 3,9% do PIB em 2014 para 2% do PIB em 2017 - um patamar inferior ao de 1999, segundo dados do relatório da IFI (Instituição Fiscal Independente) do Senado -, não surpreende que estejamos na mais lenta recuperação da história das crises brasileiras.
Professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP, autora de "Valsa Brasileira: do Boom ao Caos Econômico"
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia