Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de julho de 2018.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Opinião Econômica: Nelson Barbosa
Nelson Barbosa

Opinião Econômica

Edição impressa de 20/07/2018. Alterada em 19/07 às 22h44min

As guerras santas da macroeconomia

O debate sobre política econômica é frequentemente dominado por extremos, sobretudo na era de redes sociais.
Polemistas disfarçados de analistas quase sempre assumem um grau de certeza e virulência que não tem base na realidade. Essa radicalização é geralmente mais forte na macroeconomia - política monetária, fiscal e cambial -, em que argumentos tendem a adquirir um tom quase religioso.
Para não economistas, é difícil entender tamanha belicosidade, pois economia deveria ser uma área técnica de estudos, na qual seria possível testar hipóteses ao longo do tempo.
Na prática é exatamente isso que acontece no dia a dia da pesquisa aplicada, mas a retórica do debate público, no Brasil e no mundo, continua dominada por duas grandes escolas ou "igrejas" de pensamento acadêmico.
Do lado ortodoxo, os membros da "Igreja da Microeconomia dos Últimos Dias" tendem a defender a austeridade como solução para todos os problemas, independentemente das condições do país.
Se o nível de atividade está alto, deve-se adotar políticas restritivas para controlar a inflação, preferencialmente um corte de gastos públicos para evitar um aumento excessivo da taxa de juro. Se o nível de atividade está baixo, deve-se adotar também uma política fiscal restritiva, pois a redução do tamanho do Estado aumenta a confiança do setor privado e permite ao Banco Central reduzir ainda mais o juro.
Não importa a condição do paciente, o remédio é sempre o mesmo: austeridade fiscal ontem, hoje e para sempre.
Do lado heterodoxo, os devotos da "Igreja da Ressureição Macroeconômica em Keynes" (da qual Keynes nunca foi membro) tendem a defender expansão fiscal como solução para todo e qualquer problema, sem atentar, também, para as condições iniciais da economia.
Se o nível de atividade está baixo, o governo deve adotar uma política expansionista para aumentar o emprego e a renda, pois isso não cria risco para o controle da inflação. Se o nível de atividade está alto, o governo deve adotar ou manter uma política expansionista, pois só assim haverá mais investimentos e aumento da produtividade, que, por sua vez, reduzem a inflação no longo prazo.
Novamente temos o mesmo remédio independentemente da condição do paciente: expansão fiscal ontem, hoje e para sempre.
Cada igreja baseia sua fé em alguns milagres comprovados, pois a história econômica registra episódios de "contração fiscal expansionista", como defendem ortodoxos, e de "expansão fiscal não inflacionária", como argumentam heterodoxos. Apesar de possíveis, esses casos não são frequentes.
Na prática predomina o meio-termo e, por isso, a política econômica é sempre mais pragmática do que o debate entre economistas.
A história econômica pós- Segunda Guerra demonstra que o governo deve adotar medidas de redução da atividade econômica quando a economia está superaquecida e vice-versa. Em outras palavras, a política econômica deve ser anticíclica, com uma combinação de ações fiscais e monetárias que estabilizem inflação e emprego.
Apesar da retórica oficial de ajuste, o governo brasileiro fez exatamente isso em 2016-17, com elevação do déficit primário, injeção de recursos parafiscais na economia e redução, ainda que tardia, da Selic. Tudo isso sem comprometer o controle da inflação, pois estávamos e ainda estamos operando muito abaixo do nosso potencial produtivo.
Como disse o próprio Keynes: a expansão, não a recessão, é o momento certo para austeridade. Mas não conte isso às duas igrejas, pois você será excomungado.
Professor da FGV-SP, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento (2015-2016)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia