Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de julho de 2019.
Dia do Operador de Telemarketing. Feriado nos EUA - Dia da Independência.

Jornal do Comércio

25/06/2019 - 00h41min.
Alterada em 04/07 às 16h30min
COMENTAR| CORRIGIR

As festas de junho

Dom Jaime Spengler, Arcebispo Metropolitano de Porto Alegre
Durante este mês de junho acontece o fenômeno natural interessante: o dia mais curto e a noite mais longa do ano. Esse fenômeno era motivo de festa para povos antigos. Também no mês junho temos as conhecidas festas juninas de Santo Antônio, São João, São Pedro e São Paulo.
Elas são marcadas pela alegria, músicas típicas, comidas características, canjica, pinhão, pipoca e fogueira. São festas populares que superam distinções de credo ou pertença religiosa. Elas são oportunidade privilegiada para o encontro de amigos, brincadeiras, descontração e também fé. No encontro com as diversas tradições regionais, as festas juninas adquirem contornos característicos como, por exemplo, as bandeirinhas e os balões coloridos, o erguimento do mastro e o forró.
Numa sociedade que parece ter perdido sua alma e sua fala, desprovida de sentido, na qual o alarido da comunicação não permite o silêncio, e a proliferação e massificação das coisas não permitem o recolhimento e o descanso, a dimensão lúdica da vida dessas festas marcadas pela simplicidade, o poder de estar juntos e a alegria pueril se tornam oportunidade especial para resgatar elementos essenciais da convivência humana.
A cultura popular que marca as festividades do mês de junho expressa de forma humana, simples e bela, o desejo latente na alma do povo de um mundo melhor, marcado pela paz, justiça e fraternidade.
De um lado, tais festividades expressam, ainda que de forma diluída, a religiosidade do povo e, de outro, exteriorizam o desejo humano de confraternização, expõem a necessidade de comunhão e unidade, manifestam o desejo de um mundo transformado, onde muros sejam destruídos, pontes construídas, cercas e bloqueios desfeitos, e a harmonia originária reconquistada.
Aquilo que as festas juninas inspiram seria um sonho? Mas, “ai do mundo se não fosse a utopia, ai do mundo se não fossem os sonhadores. (...) Quando se sonha sozinho, é apenas um sonho, mas quando se sonha em mutirão, já é uma realidade” (Dom Helder Câmara).
Ordenação presbiteral
Na última sexta feira (21), na paróquia Nossa Senhora das Dores, em Sentinela do Sul, foi realizada a ordenação presbiteral (quando torna-se sacerdote) do diácono Gilberto Ferreira Pacheco. Padre Gilberto é mais um sacerdote da Arquidiocese de Porto Alegre.
Sínodo da Amazônia
O mundo amazônico pede à Igreja que seja sua aliada. Esta é a alma do Documento de trabalho (Instrumentum Laboris) publicado na manhã de segunda-feira (17) pela Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos. O Documento é fruto de um processo de escuta que teve início com a visita do papa Francisco a Puerto Maldonado (Peru) em janeiro de 2018, prosseguiu com a consulta ao Povo de Deus em toda a Região Amazônica por todo o ano e se concluiu com a II Reunião do Conselho Pré-Sinodal, em maio passado. O sínodo será realizado em outubro deste ano.
Conversão ecológica
Na terça-feira (18) completaram-se quatro anos desde que a encíclica Laudato Si’, publicada pelo papa Francisco, pôde ser conhecida pelo mundo todo. O alerta para a urgente mobilização frente à crise socioambiental vivida no mundo, com o chamado à conversão ecológica, agora ganhou contornos de urgência: “o tempo está se esgotando”, disse o papa na última semana a dirigentes de empresas petrolíferas que participavam do encontro sobre “A transição energética e a tutela da casa comum”. O encontro foi promovido na Casina Pio IV, nos Jardins Vaticanos, pelo Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Dom Jaime Splengler

A Arquidiocese de Porto Alegre renova sua tradicional coluna no Jornal do Comércio, antes intitulada "A Voz do Pastor", e passa a chamá-la "Olhar da Fé", com publicação exclusiva na versão online do veículo. Todas as quintas-feiras, Dom Jaime Spengler, arcebispo de Porto Alegre, ou um dos bispos auxiliares trarão a visão do sagrado sobre temas importantes para a sociedade.