Porto Alegre, sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Dia do Arquiteto. Dia do Engenheiro.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 11 de dezembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Olha Só/Música

- Publicada em 12h00min, 05/12/2020. Atualizada em 09h36min, 11/12/2020.

Acervo Elis Regina recebe doação de coleção de Zeca Kiechaloski

 Acervo Elis Regina recebe doações importantes de Zeca Kiechaloski

Acervo Elis Regina recebe doações importantes de Zeca Kiechaloski


JOYCE ROCHA/JC
O Acervo Elis Regina, na Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), acaba de receber uma doação importante de fotos, programas de shows, discos, matérias de jornais e outros objetos referentes à carreira da cantora gaúcha. As doações vieram do ator e jornalista, recentemente falecido, Zeca Kiechaloski, admirador e primeiro biógrafo de Elis.
O Acervo Elis Regina, na Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), acaba de receber uma doação importante de fotos, programas de shows, discos, matérias de jornais e outros objetos referentes à carreira da cantora gaúcha. As doações vieram do ator e jornalista, recentemente falecido, Zeca Kiechaloski, admirador e primeiro biógrafo de Elis.
Zeca acompanhou a carreira de Elis Regina desde que ela apareceu pela primeira vez na televisão, participando do Festival de Música da Record, em 1965, cantando Arrastão, do qual saiu vencedora. Nascia ali a paixão de Zeca pela artista que viria a se tornar, para muitos, a maior cantora do Brasil. Para ele, nenhuma se igualaria a ela.

História de uma paixão com Elis 

Durante seus 66 anos, Zeca guardou recortes de jornal, discos, livros, cartazes e programas de shows, fitas com registros de entrevistas, depoimentos e alguns presentes dados pela própria Elis ao Seu Zeca, como ela carinhosamente o chamava.
O fã conseguiu chegar perto do ídolo em um show em São Paulo, estreitando uma amizade que o enchia de orgulho e o fez uma referência, após a morte dela, quando escreveu um livro sobre sua trajetória, revelou fotos dos dois juntos e histórias da rápida convivência.
Hoje, após a sua morte, a família decidiu que toda essa memória deveria ser preservada e escolheu o Acervo Elis Regina, na CCMQ, como depositário da doação. São muitas as curiosidades que envolvem a relação de Zeca com Elis. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/04/206x137/1_jr_041220___acervo_elis_regina__15_-9204948.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5fca9c9a00a96', 'cd_midia':9204948, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/04/jr_041220___acervo_elis_regina__15_-9204948.jpg', 'ds_midia': 'Fotos para matéria na Casa de Cultura Mário Quintana, no Acervo Elis Regina. ', 'ds_midia_credi': 'JOYCE ROCHA/JC', 'ds_midia_titlo': 'Fotos para matéria na Casa de Cultura Mário Quintana, no Acervo Elis Regina. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Fotos e objetos pessoais de Zeca Kiechaloski chegam ao Acervo Elis Regina
Um disco muito antigo que ela lhe presenteou e virou quadro, bilhetes, fotos, programas de espetáculos no Teatro Leopoldina, em Porto Alegre, toda uma memória que agora os une nos ambientes preservados e muito bem cuidados da Casa de Cultura Mario Quintana.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/04/206x137/1_jr_041220___acervo_elis_regina__9_-9204942.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5fca9c9a00a96', 'cd_midia':9204942, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/04/jr_041220___acervo_elis_regina__9_-9204942.jpg', 'ds_midia': 'Fotos para matéria na Casa de Cultura Mário Quintana, no Acervo Elis Regina. ', 'ds_midia_credi': 'JOYCE ROCHA/JC', 'ds_midia_titlo': 'Fotos para matéria na Casa de Cultura Mário Quintana, no Acervo Elis Regina. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Zeca Kiechaloski foi o primeiro biógrafo de Elis Regina com o livro publicado em 1984, na coleção Esses Gaúchos
Como o acervo é o maior do Brasil, a exposição dos objetos vai sendo trocada frequentemente, podendo ser visitada muitas vezes, sempre com novidades.
Ainda que esteja fechada para visitação, em função da pandemia do novo coronavírus, vale o registro do local, de seu acervo e da memória da arte e da cultura brasileira, que ganham o abrigo de uma sala cuidadosamente ambientada para a preservação da memória de Elis Regina. E agora, de Zeca também.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/04/206x137/1_jr_041220___acervo_elis_regina__11_-9204944.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5fca9c9a00a96', 'cd_midia':9204944, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/04/jr_041220___acervo_elis_regina__11_-9204944.jpg', 'ds_midia': 'Fotos para matéria na Casa de Cultura Mário Quintana, no Acervo Elis Regina. ', 'ds_midia_credi': 'JOYCE ROCHA/JC', 'ds_midia_titlo': 'Fotos para matéria na Casa de Cultura Mário Quintana, no Acervo Elis Regina. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Registro de encontro de Elis e Zeca no Clube do Comércio, de Porto Alegre, no final dos anos 1970
Comentários CORRIGIR TEXTO