Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de dezembro de 2018.
Dia de São Silvestre.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Edição impressa de 31/12/2018. Alterada em 31/12 às 00h44min

Feliz Ano Novo

Há um otimismo palpável, principalmente em ambientes empresariais, relativamente à recuperação consistente da economia brasileira, já a partir do Ano Novo que se inicia nesta terça-feira. O que por si só projeta taxas positivas, uma vez que um dos fatores principais que travava a economia era justamente a falta de confiança. Quem melhor simulou esta situação foi o professor Marcelo Portugal, assessor da Fecomércio local. Ao encerrar sua exposição durante almoço de fim de ano com os jornalistas, ele se despediu com um "Feliz Ano Novo", não sem acrescentar depois que era a primeira vez após alguns anos que ele o fazia, porque nos anos anteriores tinha convicção de que o Ano Novo não poderia ser feliz.
Lenta recuperação
De todo modo, parece evidente que mesmo a melhor taxa de crescimento da economia em 2019 não vai poder repor o que foi perdido ao longo dos anos de recessão, a maior da história brasileira. É porque, segundo o balanço da Fiergs, o nível de atividade da economia caiu muito. Tanto que a economia nacional está hoje 4,5% abaixo do nível de 2014 e a gaúcha 5,2% abaixo do nível de 2013.
Desemprego resiste
O Brasil pode levar quase uma década para voltar ao nível de desemprego de antes da crise, caso cresça nos próximos anos no ritmo esperado para 2019. Pesquisadores do Ibre, da FGV, e do Ipea têm projeções semelhantes, simulando crescimento entre 2,4% e 2,7% em 2019. Se o País mantiver a média de 2,5% ao ano, o desemprego, pela Pnad Contínua, do IBGE, só voltará aos 6,8%, registrados em 2014, em quase 10 anos, de acordo com a consultoria Schwartsman.
Os 116 anos do Sicredi
A Sicredi Pioneira de Nova Petrópolis comemorou na quinta-feira 116 anos. Ela foi a primeira cooperativa de crédito da América Latina, constituída no dia 28 de dezembro de 1902 sob o nome de Sociedade Cooperativa Caixa de Economia e Empréstimos de Nova Petrópolis, pelo padre jesuíta suíço Theodor Amstad. E que sofreu várias alterações em sua razão social ao longo de sua história.
Mudança na direção
Após 29 anos de Sicredi, iniciados na Sicredi Pioneira de Nova Petrópolis, Gérson Seefeld deixa dia 31 de janeiro próximo a direção executiva da hoje Central Sul Sudeste, que abrange além do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e Espírito Santo. Ele será substituído no cargo por Leandro Lima, do Sicredi Pampa Gaúcho com sede em Alegrete. E volta a ser apenas um associado do sistema, mas deixa reconhecido legado pela brilhante tarefa de consolidação do Sicredi na região.
Réveillon da orla sem estampidos
A prefeitura de Porto Alegre já adotou o uso de fogos silenciosos, esclarece a assessoria de comunicação, a propósito de nota desta coluna sugerindo a aprovação de lei neste sentido, como foi sancionada semana passada pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas, para evitar o sofrimento dos animais domésticos e o incômodo causado nos hospitais e aos idosos. Ainda segundo a assessoria, dia 26 de dezembro foi lançada a programação do Réveillon na orla e "divulgamos também que em 2018 os fogos de artifício não terão estampido. Algum barulho vai ter porque ainda não há fogos totalmente silenciosos, mas em Porto Alegre serão utilizados os com menor som possível. Aliás, uma das atrações mais esperadas da festa é a queima de fogos só de luzes e cores, que terá duração de 10 minutos".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia