Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

06/07/2020 - 16h55min. Alterada em 06/07 às 21h28min

Prefeituras vencem resistências e avançam na digitalização

Sebben conta que GOVBR não tirou pé do acelerador, mesmo atuando remotamente

Sebben conta que GOVBR não tirou pé do acelerador, mesmo atuando remotamente


LEONARDO LENSKIJ/DIVULGAÇÃO/JC
Desafiadas a responder rapidamente às demandas da população e da própria gestão pública diante do cenário da Covid-19, as prefeituras brasileiras tiveram que aceitar que a digitalização é um caminho sem volta. Projetos que antes acabavam não evoluindo em função de uma resistência cultural, como o de abandonar o papel e o carimbo e partir para a assinatura digital de documentos, finalmente avançaram, conta o diretor de mercado da GOVBR, Rafael Sebben. Desde que começou a pandemia, a empresa colocou sistemas governamentais em nuvem nas prefeituras de Camaquã, São Francisco de Assis e Faxinal do Soturno, por exemplo. Tudo em apenas cinco dias, e com implementação totalmente remota. “Aprendemos a agir de forma ainda mais digital. Não perdemos embalo de comercialização, desenvolvimento e implantação, mesmo com nosso time todo remoto”, conta. A GOVBR tem 50 anos de experiência no fornecimento de soluções para prefeituras municipais.
Desafiadas a responder rapidamente às demandas da população e da própria gestão pública diante do cenário da Covid-19, as prefeituras brasileiras tiveram que aceitar que a digitalização é um caminho sem volta. Projetos que antes acabavam não evoluindo em função de uma resistência cultural, como o de abandonar o papel e o carimbo e partir para a assinatura digital de documentos, finalmente avançaram, conta o diretor de mercado da GOVBR, Rafael Sebben. Desde que começou a pandemia, a empresa colocou sistemas governamentais em nuvem nas prefeituras de Camaquã, São Francisco de Assis e Faxinal do Soturno, por exemplo. Tudo em apenas cinco dias, e com implementação totalmente remota. “Aprendemos a agir de forma ainda mais digital. Não perdemos embalo de comercialização, desenvolvimento e implantação, mesmo com nosso time todo remoto”, conta. A GOVBR tem 50 anos de experiência no fornecimento de soluções para prefeituras municipais.
Mercado Digital – Quais têm sido as maiores demandas dos municípios desde que iniciou a pandemia e a necessidade do isolamento social?
Rafael Sebben – Atendemos mais de 900 municípios em 13 estados e as demandas que mais estão chegando para a gente nos últimos três meses são, sem dúvida, às relacionadas à digitalização dos serviços públicos. Isso tanto na esfera do atendimento ao cidadão como no funcionamento da máquina pública. Virtualização das operações, sistemas em nuvem, oferta de serviços remotos e trabalho remoto estão em alta. Tudo o que município faz presencialmente, como emissão de guia de tributo, ouvidoria, sistema de protocolo para solicitação de documento, apenas para exemplificar alguns serviços, precisou ser entregue digitalmente.
Mercado Digital – Como tem sido a capacitação dos agentes públicos para esse mundo digital?
Sebben – Nestes últimos 90 dias, mais de 1,8 mil servidores públicos já foram capacitados nas novas ferramentas. Já trabalhávamos com um sistema híbrido de ensino (distância + presencial), e agora passamos a fazer esse trabalho todo digitalmente. Os funcionários públicos passaram a aceitar melhor esse tipo de entrega agora.
Mercado Digital – A urgência imposta pela pandemia tem quebrado as resistências culturais na adoção das novas tecnologias?
Sebben – Sim. Na segunda semana de pandemia, por exemplo, muitos prefeitos e gestores nos procuraram porque não podiam mais ir até a prefeitura assinar papel. Já estava no nosso roadmap essa ferramenta, mas existia resistência cultural na adoção. Com essa questão da pandemia, lançamos uma plataforma para eliminar o papel, assinaturas e carimbos de forma presencial, passando a usar assinatura eletrônica e certificação digital. A partir de agora, devemos ter expansão gigantesca deste produto no nosso portfólio.
Mercado Digital – A GOVBR precisou fazer alguma adaptação nos sistemas da empresa para atender esse cenário específico?
Sebben – A Covid-19 trouxe uma série de recursos financeiros aos municípios e junto com isso legislações específicas que precisam ser atendidas. Tivemos que adaptar nossos sistemas rapidamente para eles estarem aderentes a isso.
Mercado Digital – Que soluções inteligentes específicas para a saúde passaram a ser mais procuradas?
Sebben - As cidades têm muitos dados, e o grande desafio da tecnologia é ajudar a transformar isso em informações para o processo de tomada de decisão. Os municípios começaram a usar muito serviços para controle epidemiológico, de forma a conseguirem identificar onde estão os grupos de riscos da Covid-19. Temos uma solução que faz todo acompanhamento do cidadão e permite que os agentes comunitários consigam saber onde estão, por exemplo, os diabéticos ou os cardiopatas com mais de 60 anos. O mesmo pode ser aplicado para os serviços de assistência social – os municípios precisam saber quem são as pessoas mais necessitadas para poder dedicar mais atenção a elas. Outra ferramenta que também está ganhando maior adesão é a que permite a colocação de QR Codes em receitas médicas e atestados, o que ajuda as farmácias a identificarem sua autenticidade de forma mais rápida, evitando filas e aglomerações, e garante a veracidade dos documentos.
Comentários CORRIGIR TEXTO