Porto Alegre, segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

30/04/2020 - 08h13min. Alterada em 30/04 às 08h13min

"Os fundos de investimento não vão pisar no freio", diz Poli

Marco Poli é mentor, advisor, conselheiro e investidor em startups

Marco Poli é mentor, advisor, conselheiro e investidor em startups


ClosedGap Ventures/Divulgaçã/JC
O cenário é desafiador para as startups em tempos de Covid-19. Como são operações que geralmente tem menos caixa, acabam sentindo muito a perda do poder de consumo da população e das empresas. Mas, a boa notícia vem de Marco Poli, mentor, advisor, conselheiro e investidor em startups. “Os fundos de investimentos dificilmente vão pisar no freio”, diz ele, que é o fundador da ClosedGap Ventures. Poli será um dos participantes do Meetup Online promovido pelo Sebrae-RS com a temática Startups x Covid-19. O bate papo acontece no dia sete de maio e reúne ainda Victor Silva (Ebanx), Marcio Jappe (Semente Negócios) e Gabriel Engel (Rocket.Chat). As inscrições já estão abertas. 
O cenário é desafiador para as startups em tempos de Covid-19. Como são operações que geralmente tem menos caixa, acabam sentindo muito a perda do poder de consumo da população e das empresas. Mas, a boa notícia vem de Marco Poli, mentor, advisor, conselheiro e investidor em startups. “Os fundos de investimentos dificilmente vão pisar no freio”, diz ele, que é o fundador da ClosedGap Ventures. Poli será um dos participantes do Meetup Online promovido pelo Sebrae-RS com a temática Startups x Covid-19. O bate papo acontece no dia sete de maio e reúne ainda Victor Silva (Ebanx), Marcio Jappe (Semente Negócios) e Gabriel Engel (Rocket.Chat). As inscrições já estão abertas. 
Mercado Digital – Como o cenário de Covid-19 está afetando as startups?
Marco Poli – O cenário é desafiador para todos. As startups que têm soluções que arrefecem a crise, que tiram um pouco essa sensação de empobrecimento imediato das pessoas e empresas, vão enfrentar um cenário melhor. Aquelas com soluções que possibilitam fazer coisas em casa, como consultas médicas ou atividades físicas, tendem a crescer. Ou que fazem a intermediação para restaurantes de comida japonesa, que é um tipo de comida mais difícil de fazer em casa. Já as que ofereciam uma plataforma de busca de pessoas para passear com cachorros, devem ter dificuldades, porque agora as pessoas podem elas mesmas fazer isso. Mesmo players que poderíamos achar que ganhariam rios de dinheiro neste período, como as de delivery, talvez não estejam conseguindo absorver totalmente o fato de que a maioria dos food services está fechado.
Mercado Digital – As startups têm uma operação mais flexível, o que pode ser um fator positivo neste momento. Mas, como lidar com a dificuldade de recursos?
Poli – Sim, as startups têm essa característica de terem um caixa mais apertado. Sempre falamos do conceito de runway, que é a pista de decolagem, ou quantos meses a startup tem de caixa para queimar com o seu modelo de negócios. Se a receita reduziu, o runway também reduzirá. A maioria tem runway de 18 meses. As startups costumam rodar com prejuízos mensais que podem ser propositais, para acelerar os negócios, e agora terão que reduzir prejuízos para não comprometerem a operação. Mesmo que consigam se sustentar com o dinheiro dos investimentos, é preciso atenção. O processo de captação leva de 3 a 6 meses. Então, para quem vai começar a buscar agora, dificilmente esse recurso será o que vai ajudar nesse momento.
Mercado Digital – Existe dinheiro disponível no mercado para investimento nas startups?
Poli – Com certeza. Existem algumas faixas de investimentos para certos perfis de empresa que podem ter diminuído, como as que contavam com recursos dos investimentos anjo. Mas, essa não é a realidade dos fundos de investimentos, que dificilmente vão pisar no freio. A crise é extremamente aguda, mas as oportunidades continuam aparecendo e quem não aproveitar isso vai perder. Grande parte dos fundos investimentos está se organizando para fazer rounds que não aconteceriam agora, mas estão atentos às operações boas e que precisam de necessidade em função de crise.
Mercado Digital – Que conselho você daria para os empreendedores neste momento?
Poli – Veja se o seu plano de negócios está adequado para esse momento. Sejam mais conservadores com o caixa, entendam se é hora de fazer investimento no marketing de branding, que demora mais para dar resultado, ou no de performance. Sigam fazendo os seus projetos e buscando investimento. Para as startups que estão nadando na crise, aproveitem o momento. Já as que estão em setores como de hospedagem, passagens áreas, shows, eventos, atenção, pois a recuperação será mais lenta pela necessidade de evitar aglomerações.
Comentários CORRIGIR TEXTO