Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de janeiro de 2020.
Dia de São Sebastião (feriado na cidade do Rio de Janeiro).

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 20/01/2020.
Alterada em 20/01 às 15h42min
COMENTAR | CORRIGIR

Aporte de R$ 160 milhões turbina IoT em 2020

'Expectativa é ver um crescimento significativo de soluções e dispositivos conectados', diz Villela

'Expectativa é ver um crescimento significativo de soluções e dispositivos conectados', diz Villela


/QUALCOMM/DIVULGAÇÃO/JC
O lançamento de um fundo de investimento em participações de R$ 160 milhões pela Qualcomm Ventures, braço de investimentos da Qualcomm Incorporated, e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), veio para tornar o ano de 2020 ainda mais promissor para o mercado da Internet das Coisas (IoT). O aporte será direcionado a startups que desenvolvem produtos e serviços para IoT e tem como objetivo fomentar o desenvolvimento desta tecnologia no Brasil. O fundo irá apoiar startups em estágio inicial (capital semente e financiamento de série A).
O lançamento de um fundo de investimento em participações de R$ 160 milhões pela Qualcomm Ventures, braço de investimentos da Qualcomm Incorporated, e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES), veio para tornar o ano de 2020 ainda mais promissor para o mercado da Internet das Coisas (IoT). O aporte será direcionado a startups que desenvolvem produtos e serviços para IoT e tem como objetivo fomentar o desenvolvimento desta tecnologia no Brasil. O fundo irá apoiar startups em estágio inicial (capital semente e financiamento de série A).
A Qualcomm e o BNDES planejam investir 50% do valor total esperado para o fundo, o equivalente a R$ 80 milhões. Outros investidores serão convidados a participar e ajudar na composição do valor integral. Nesta entrevista, o diretor sênior da Qualcomm Technologies Inc. e diretor-executivo da Qualcomm Ventures para América Latina, Alexandre Villela, comenta que, em um momento onde as empresas buscam ganhos de produtividade para aumentar sua competitividade global, a Internet das Coisas será um dos pilares da transformação digital e da manufatura 4.0.
Jornal do Comércio - Como esse investimento irá reforçar as perspectivas, já positivas, para o desenvolvimento da Internet das Coisas em 2020?
Alexandre Villela - A nossa expectativa é ver um crescimento significativo de soluções e dispositivos conectados, seguros e inteligentes. Acreditamos que o fundo contribuirá para impulsionar o ecossistema de startups e de IoT no Brasil. O número de conexões de IoT deverá atingir a marca de 25 bilhões de dispositivos até 2025 no mundo, sendo que o setor industrial responderá por mais de 50% dessa base de conexões. Isso representará uma adição anual de US$ 370 bilhões ano na economia global, o equivalente a 0.34% do PIB mundial.
JC - O Brasil tem chances de formar um ecossistema nacional forte e capaz de competir de igual com outros mercados?
Villela - O lançamento do fundo vem em um bom momento de retomada do crescimento econômico do País, no qual empresas estão ganhando produtividade e se preparando para investir na transformação digital. Nossa proposta é engajar com empresas líderes em diferentes verticais, de maneira a explorar o potencial do país como produtor de tecnologia. Esse será o ponto chave para nos colocar em uma posição em que passamos a competir com mais força com outros mercados. Temos elementos importantes à nossa disposição, como talentos profissionais, pesquisas em desenvolvimento de produtos e empresas sólidas. Utilizando-se de tecnologias de computação e conectividade, a Qualcomm acredita que poderemos enriquecer o ecossistema nacional de Internet das Coisas em um prazo curto.
JC - Quais são as áreas mais promissoras de aplicação desta tecnologia?
Villela - Indústria 4.0, energia e gás e logística, rastreamento de valores, segurança pública, segurança patrimonial são alguns dos segmentos verticais que tem forte potencial para melhorar performance de processamento, conectividade de alta velocidade e segurança de comunicação.
JC - Como as startups podem fazer parte desse mercado?
Villela - O novo fundo da Qualcomm Ventures irá apoiar startups em estágio inicial (capital semente e financiamento de série A). Vamos contemplar empresas com aplicações de hardware, software e análise de dados, voltadas para áreas estratégicas como manufatura 4.0, smartcities, saúde, smart agro e IoT residencial. É um mercado bastante estratégico para as startups pois tende a crescer bastante nos próximos anos, demandando soluções rápidas e inovadoras.
JC - Como o 5G deve ajudar apoiar a oferta destas soluções?
Villela - Os benefícios das redes 5G para o segmento de Internet das Coisas poderão ser observados, principalmente, em três âmbitos. O primeiro é a menor latência com que os dados trafegam em ambas as direções (do dispositivo para a nuvem e da nuvem para o dispositivo). O segundo é a maior velocidade de comunicação, que levará a uma melhor experiência ao usuário em aplicações como realidade virtual, aumentada e estendida. Por fim, o suporte a virtualização das redes 5G permitirá uma melhor adequação dos produtos aos serviços, trazendo organização na forma como o tráfego de dados das diferentes aplicações e oferecendo maior segurança às transações de dados na rede.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.