Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 23 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

23/07/2019 - 19h14min.
Alterada em 23/07 às 19h15min
COMENTAR| CORRIGIR

Banrisul prepara mainframe e avança em Inteligência Artificial

Krug diz que meta é avançar para novos projetos envolvendo a tecnologia

Krug diz que meta é avançar para novos projetos envolvendo a tecnologia


CLAITON DORNELLES /JC
Depois de meses de trabalho e um grande time de profissionais envolvidos, já está operacional no Banrisul uma solução que faz toda a monitoração cognitiva no ambiente de mainframe do banco.
A implantação do IBM Predictive Insights mirou na meta de incrementar a capacidade e a agilidade de análise de dados que chegam por meio de diversas fontes, realizar as correlações entre os dados analisados e gerar capacidade de aprendizagem a partir do que está sendo monitorado, fazendo a monitoração proativa baseada nas mudanças de comportamento. Outro grande objetivo foi começar a detectar anomalias no ambiente e emitir alertas para as ferramentas existentes na infraestrutura.
Um dos resultados disto é que agora é possível prever com até duas horas de antecedência qualquer problema que venha a ocorrer no ambiente de tecnologia da instituição. “O mainframe é o core do nosso processamento computacional e administrar toda essa infraestrutura é complexo”, explica o diretor de TI do Banrisul, Jorge Krug.
Referência em tecnologia bancária, o Banrisul optou por desenvolver internamente a sua solução de IA para só depois avançar nos projetos que impactem mais diretamente os clientes finais. Para o gestor, quando se pensa em uma instituição financeira, é preciso que toda estrutura interna esteja preparada para suportar os componentes que usem aplicações cognitivas antes de investir de forma mais incisiva nas aplicações na ponta.
“Esse é o primeiro passo para levarmos para dentro da arquitetura computacional do Banrisul a Inteligência Artificial (IA). É um processo de aprendizado interno e uma alavanca para depois começarmos a trabalhar em serviços para cliente com essa tecnologia”, complementa Krug.
O executivo regional da IBM Brasil, Rodrigo Ortiz Borges, comenta que o aumento no volume de informações geradas nos sistemas monitorados nesse ambiente provocou um crescimento da complexidade para análise desses dados, o que fez com que o banco sentisse a necessidade de uma solução mais eficiente, a ser utilizada na monitoração das aplicações e softwares básicos que envolvem a área de infraestrutura de TI, particularmente a do ambiente mainframe e suas interações. “O IBM Predictive Insights monitora todos os sistemas que são o core bancário do banco e aprende com mecanismos de IA sobre a melhor maneira de gerir processos de manutenção”, explica.
A IBM é uma parceira estratégica do Banrisul. O primeiro contrato entre as duas empresas foi assinado em 1963, quando o banco adquiriu da fabricante um dos primeiros computadores do Rio Grande do Sul. Agora, em tempos de tecnologia exponencial, essa relação se aprofunda a partir da Inteligência Artificial.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.