Porto Alegre, quinta-feira, 30 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quinta-feira, 30 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

- Publicada em 20h44min, 17/04/2019. Atualizada em 12h25min, 18/04/2019.

Troca-troca de prédios

Rafael Prikladnicki, diretor do Tecnopuc

Rafael Prikladnicki, diretor do Tecnopuc


LUIZA PRADO/JC
Onde inicialmente estariam centenas de startups, agora está uma superstartup. O hub 4all já fincou bandeira no Tecnopuc, trazendo novos ares ao parque tecnológico e fazendo a universidade mudar um pouco o seu plano inicial. Com a saída da Dell, a ideia era ocupar o espaço físico deixado pela multinacional com o projeto de escalar o surgimento de 1 mil novas startups nos próximos 10 anos, incrementando a conexão das áreas acadêmicas da universidade com as jovens empresas.
Onde inicialmente estariam centenas de startups, agora está uma superstartup. O hub 4all já fincou bandeira no Tecnopuc, trazendo novos ares ao parque tecnológico e fazendo a universidade mudar um pouco o seu plano inicial. Com a saída da Dell, a ideia era ocupar o espaço físico deixado pela multinacional com o projeto de escalar o surgimento de 1 mil novas startups nos próximos 10 anos, incrementando a conexão das áreas acadêmicas da universidade com as jovens empresas.
A ideia continua firme, comenta o diretor do Tecnopuc, Rafael Prikladnicki, mas agora com novos espaços sendo usados para isso. "Não podíamos deixar de abraçar a oportunidade de ter uma âncora de startups do porte da 4all", comenta. Em crescimento acelerado, com um quadro de mais de 250 colaboradores, a 4all quer se consolidar como referência em transformação digital, trabalhando com gigantes de diversos segmentos, como Ambev, Cosan, Zaffari e Lebes.
"A 4all é uma startup importante dentro do movimento de empreendedorismo nacional e reforça a nossa ação de conectar projetos de impacto para a sociedade que não sejam apenas nacionais, mas negócios que possam ganhar o mundo e fazer diferença", complementa Prikladnicki.
Comentários CORRIGIR TEXTO