Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 12/06/2020.
Alterada em 12/06 às 03h00min

Nova chance de redescoberta e reinvenção

Uma dor tão doce (Intrínseca, 384 páginas, tradução de Carolina Selvatici) é o romance mais recente do consagrado escritor inglês David Nicholls, nascido em 1966. A narrativa gira em torno do protagonista Charles Lewis, que passava, quando jovem, os dias quentes de verão andando de bicicleta pela cidade. Sem nada para fazer, ele também lia . Ele não sabia que aqueles dias tediosos e vazios teriam um fim .
Uma dor tão doce (Intrínseca, 384 páginas, tradução de Carolina Selvatici) é o romance mais recente do consagrado escritor inglês David Nicholls, nascido em 1966. A narrativa gira em torno do protagonista Charles Lewis, que passava, quando jovem, os dias quentes de verão andando de bicicleta pela cidade. Sem nada para fazer, ele também lia . Ele não sabia que aqueles dias tediosos e vazios teriam um fim .
David Nicholls é autor consagrado dos sucessos Um Dia, Nós, O substituto e Resposta Certa, todos editados no Brasil pela Intrínseca, é formado em literatura e teatro inglês, atuou em espetáculos teatrais e como editor de roteiros para a televisão e o cinema.
Uma dor tão doce tem como narrador o protagonista Charles Lewis, que, às vésperas de seu casamento, rememora, com uma mistura sutil de humor e melancolia, um antigo verão que moldou o homem que veio a se tornar. Naquele verão inesquecível o jovem lidava com a separação dos pais , dificuldades do pai com a bebida e com a loja de discos falida e com o progressivo distanciamento dos amigos.
Charlie culpava a mãe por tê-lo deixado aos cuidados do pai, que estava mais preocupado somente em beber, comer e dormir. Naquele verão envolveu-se em uma tocante história de amor. A história surgiu com a chegada de um grupo teatral na cidade, que estava encenando Romeu e Julieta. Inicialmente o jovem pensou em furir da situação, mas não foi assim. Naquelas semanas que marcaram a vida do adolescente, rodeado por textos do século XVI, figurinos,novas amizades e uma miscelânea de sentimentos inéditos , o jovem vai se dar conta de quanto pode durar um amor de verão.
Fran Fisher, a garota que interpreta Julieta, é bonita, confiante e metida a artista e vai oportunizar a Charles uma chance de se redescobrir e reinventar. Ela vai levar Charles a conseguir deixar de ser devorado pelas confusões familiares e a passar pelos ritos de passagem que o tornarão um adulto.
Aos 36 anos de idade, Charles narra dois tempos de sua vida e oportuniza aos leitores a refletir sobre amadurecimento, dificuldades escolares, amizades e outros temas que são caros a todas as pessoas. Certamente muitos leitores se identificarão com o protagonista e seus passos.

O amor nos tempos de pandemia

Nestes tempos de pandemia, teremos certamente um Dia dos Namorados bem diferente do habitual. Imagino que o número de namoros a distância vai aumentar muito. Relações pela internert já vinham ocorrendo por causa dessas questões do mundo moderno que a gente conhece, como medo, timidez, doenças, dificuldades, pessoas que moram em cidades ou países diferentes e tal.
Consta que no Japão é enorme a quantidade de pessoas que prefere relacionar-se on-line e que, bem antes do isolamento social, já preferia ter contatos a distância, na segurança de seus pequenos apartamentos. Contato humano é sempre bom, de qualquer forma, de preferência contato amigável, mas penso que nada substitui a convivência presencial das pessoas, nas casas, nas ruas, nas praças, nos bares, cafés e restaurantes. Mesmo com dois ou três metros de cordão de isolamento, ainda assim o contato ao vivo é sempre mais interessante.
Neste Dia dos Namorados, imagino que os pombinhos vão ter que escolher alguns protocolos, vão ter que fazer algumas escolhas, se proteger e amar seguindo algumas regras. Mas o importante é que o Valentine's Day aconteça da melhor forma possível e que brilhem sempre os versos da canção imortal: "The world will always welcome lovers/ As times goes by". É isso, enquanto houver mundo e alguns seres humanos, vai haver amor e Dia dos Namorados.
Hoje, nesses dias pandemiosos, muitos não querem ou não conseguem dormir de noite e, pela manhã, se pudessem, muitos nem levantariam da cama. O amor e o namoro podem e devem ser bons motivos para sair das cobertas e sentir que o dia não tem apenas problemas sanitários, políticos, econômicos, sociais, raciais, éticos e outros tantos que nos dão vontade de morar numa ilha deserta.
O amor por si próprio, pelos outros, pela sociedade, pelos animais, por plantas, flores, pela arte, pela ciência, cultura, trabalho e por divindades, entre outros, é o que mais importa na vida e naquelas horas de domingo à noite. O amor tem que vencer no final. De preferência que vença também no início e no meio, se possível. Dificuldades, inimigos e problemas devem servir para fortalecer os amores, bem como acontece nas boas e eternas histórias de amor.
Há quem diga que o amor próprio é o único amor eterno, junto com o inesgotável e invencível amor de mãe. Especialmente de mãe judia ou italiana. Pode ser, mas quem se acha e se ama muito sempre pode aproveitar o eu-me-amo-não-posso-viver-sem-mim para amar os outros. Quem não se ama não ama o próximo, isso se sabe.
Nesse pandemioso Dia dos Namorados, cada um siga as regras ou quebre as quebráveis e lembre que ano que vem tudo estará no seu lugar, graças a Deus. Amor é maratona, não corrida de 100 metros. Amor é paciência, respeito, tolerância e bom humor. Algum esquecimento básico vale para enfrentar as inevitáveis dores de amores.
Enquanto os poderosos brigam para ver quem fala por último, enquanto os endinheirados se forram ainda mais e os vaidosos vão se entupindo e se enchendo deles mesmos, os amantes vão se amando e se concentrando no que interessa.

a propósito...

Bom, se o(a) amigo(a) leitor(a) prefere ser sozinho ou se no momento não tem ficante, ficante fixo(a), noivo(a), namorado(a) ou outro fixo, me permito uma sugestão. Pense que, no fundo, o amor é mais importante que namorados e amantes. O amor paira acima das criaturas, dura para sempre, não depende das complicadas relações humanas. O amor em si é maior do que as pequenas, inseguras e frágeis pessoas. O amor em si existe independentemente delas e segue seu caminho infinito pela eternidade. Mas não sei não, ao fim e ao cabo, acho que o Tom tem razão: "Fundamental é mesmo o amor/ É impossível ser feliz sozinho/ O resto é mar". Se ame, ame os outros, dê vexame. 

Lançamentos

  • Arte não europeia: conexões historiográficas a partir do Brasil (Estação Liberdade, 240 páginas, R$ 56,00), ensaios organizado por Claudia Mattos Avolese e Patrícia D. Meneses, trazem arte pré-colombiana e ameríndia, arte japonesa e história da arte africana e afro-brasileira. Os textos vão além das narrativas tradicionais da disciplina e tratam os objetos de estudo como parte de uma rede complexa de interações espaço-temporais.
  • Os miseráveis (Editora Nova Fronteira, 1.560 páginas, R$ 149,90 e e-book 84,99 , tradução de Casimiro L. M. Fernandes e introdução de Carlos Heitor Cony), o clássico romance imortal do genial francês Victor Hugo, retrata a história da França do Século XIX, em forma de manifesto contra as injustiças sociais da vida moderna.
  • A incrível arte de desapegar - Soluções práticas para você se livrar de vez de tudo o que não serve mais na sua vida (Editora Vida e Consciência, 154 páginas, R$ 17,00) de Cherrine Cardoso, mostra que é possível se libertar de velhos hábitos e seguir adiante, com mais felicidade e crescimento pessoal.
Comentários CORRIGIR TEXTO