Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020.
Dia de São Valentim.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 14/02/2020.
Alterada em 14/02 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

Uma folga longe do litoral

Nosso jantar começou com essa impecável porção arancini de arroz arbóreo, queijo e bacon

Nosso jantar começou com essa impecável porção arancini de arroz arbóreo, queijo e bacon


FOTOS CPM/ESPECIAL/JC
Para quem gosta de viajar no contrafluxo - ou seja, quando todos vão para um lado, você vai para o oposto -, eis uma boa época para subir a Serra. O flat do Laje de Pedra é um exemplo, agradabilíssimo e pouco concorrido no verão. Mais difícil, como se verá, é prestigiar Canela e seus esforços para competir com Gramado. Muitos locais simplesmente não abrem na região, o jeito é deslocar-se para o Centro, em direção à bonita Catedral de Pedra.
Para quem gosta de viajar no contrafluxo - ou seja, quando todos vão para um lado, você vai para o oposto -, eis uma boa época para subir a Serra. O flat do Laje de Pedra é um exemplo, agradabilíssimo e pouco concorrido no verão. Mais difícil, como se verá, é prestigiar Canela e seus esforços para competir com Gramado. Muitos locais simplesmente não abrem na região, o jeito é deslocar-se para o Centro, em direção à bonita Catedral de Pedra.
Nesse trajeto, surge uma boa ideia: reativada, a antiga estação de trens hoje é parte de um projeto de pequenos comércios e de alguns restaurantes - um deles, o Férreo, além do salão principal, tem mesas dentro de um autêntico vagão, completamente restaurado. Outros têm mesas em decks ou simplesmente sobre o calçadão - e aí aparecem os problemas.
Como aconteceu conosco na Casa do Pinóquio. Nosso jantar, em pleno sábado, começou com essa impecável porção arancini de arroz arbóreo, queijo e bacon (foto acima, 1, R$ 39,00), enquanto esperávamos risoto de Gorgonzola (com cubos de mignon - R$ 59,00) e nhoques ao molho de queijo Serrano (R$ 39,00 mais R$ 20,00 pelos tais cubos de mignon).
Eis que um enorme cão preto passa a circular por entre as mesas do deck e senta-se exatamente ao lado da nossa. Reclamamos e, entre afagos com as mesmas mãos que nos serviam, foi retirado pelo garçom. Uniu-se a outros cães vadios nas proximidades e passou a latir sem parar, enquanto a matilha toda corria para um e outro lado. Comemos rapidamente, pagamos a conta e adeus - jamais cometa o erro de sentar às mesas fora do salão. A prefeitura não seria capaz de removê-los e encaminhá-los para adoção?
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/12/206x137/1_pan___gastronomia__conteinner___fachada___foto_cpm-8979653.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e44637b183e1', 'cd_midia':8979653, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/12/pan___gastronomia__conteinner___fachada___foto_cpm-8979653.jpg', 'ds_midia': 'FOTO 2 - PAN - GASTRONOMIA- CONTEINNER - Fachada - FOTO CPM', 'ds_midia_credi': 'CPM/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'FOTO 2 - PAN - GASTRONOMIA- CONTEINNER - Fachada - FOTO CPM', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Ainda bem que Canela tem lugares como o Containner Bistrô, onde jantamos na sexta-feira. Um charme desde a fachada (foto acima), com agradável música ao vivo - ao invés de uivos e latidos, Percebemos alterações no menu, mas lá estavam o risoto de Brie e Parma (R$ 48,00) e os medalhões de filé ao vinho do Porto com risoto de alho-poró (foto abaixo, R$ 66,00) que já nos haviam cativado em outras ocasiões. Muito bom, aberto das 10h às 23h, folga nas quartas-feiras.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/12/206x137/1_pan_1____gastronomia___conteinner___file___foto_cpm_8979640-8979840.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e4473614c5be', 'cd_midia':8979840, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/12/pan_1____gastronomia___conteinner___file___foto_cpm_8979640-8979840.jpg', 'ds_midia': 'pan 1 ___gastronomia___conteinner___file___foto_cpm-8979640', 'ds_midia_credi': 'CPM/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'pan 1 ___gastronomia___conteinner___file___foto_cpm-8979640', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Uma tentativa frustrada foi jantar no bem recomendado La Braise, no acesso ao condomínio Laje de Pedra: simplesmente o restaurante deixou Canela e transferiu-se para Gramado, próximo ao Villa Berti.
Visita inevitável em Gramado: ao Quintanilha, instalado em lindíssima casa junto ao Lago Joaquina Rita Bier, que oferece a melhor relação preço/qualidade da Serra. Um bufê completíssimo nos almoços de terças a sextas-feiras, incluídos sucos naturais de uva, de laranja, água e sobremesas (foto abaixo, apenas uma parte delas) custa R$ 38,00; aos sábados, domingos e feriados, ainda mais caprichado, R$ 53,00.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/12/206x137/1_pan___gastronomia_quintanilha___sobremesas__foto_cpm-8979667.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5e4463be38ae7', 'cd_midia':8979667, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/02/12/pan___gastronomia_quintanilha___sobremesas__foto_cpm-8979667.jpg', 'ds_midia': 'FOTO 4 - pan - gastronomia QUINTANILHA - SOBREMESAS- foto CPM', 'ds_midia_credi': 'CPM/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'FOTO 4 - pan - gastronomia QUINTANILHA - SOBREMESAS- foto CPM', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}

Você já preparou o Gravlax?

FOTO 5 - pan - gastronomia - Gravlax - Crédito Luis Henrique Bisol Ramon
Na versão moderna, o chef Luis Carlos Reis sepulta salmão em sal e açúcar por 48h
LUIS HENRIQUE BISOL RAMON/DIVULGAÇÃO/JC
Assim como se diz que os tropeiros gaúchos salgavam charque no lombo dos cavalos, conta-se que essa receita foi criada por guerreiros vikings, que enterravam o peixe nas areias da praia até que curasse. Na versão moderna, o chef Luis Carlos Reis, sócio do Wok ‘n’ Roll, inaugurado há pouco em Caxias do Sul, sepulta salmão em sal e açúcar por 48h – depois, em poucos minutos a iguaria fica pronta.
Ingredientes:
(quatro porções)
  • 800g de filés de salmão
  • 1 kg de sal grosso
  • 1 kg de açúcar refinado
  • 1 dose de whisky ou bourbon endro, dill (ou funcho) picados, em profusão
  • raspas e suco de um limão siciliano
Modo de preparar:
  1. Filetar o filé de salmão e reservar.
  2. Misturar os demais ingredientes em um bowl grande.
  3. Forrar o fundo de uma assadeira com parte da mistura, dispor o salmão por cima e cobri-lo com o restante dela.
  4. Deixar curando por dois ou três dias, até alcançar a textura desejada, revirando as peças com o líquido que se forma, duas vezes ao dia.
  5. Limpar o peixe com toalha de papel e cortá-lo finamente com faca muitíssimo bem afiada.
  6. Servir com molho da sua preferência e torradinhas para acompanhar, ou como ingrediente de saladas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Carlos Pires de Miranda
Carlos Pires de Miranda
As novidades nas operações gastronômicas no Rio Grande do Sul, receitas exclusivas e dicas de lugares agradáveis para apreciar o melhor da culinária estão na coluna Gastronomia, publicada todas as sextas-feiras.