Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 01/11/2019.
Alterada em 01/11 às 03h00min
COMENTAR | CORRIGIR

Picanha na frigideira

/FRIBOI/DIVULGAÇÃO/JC
Aqui em casa, picanha é sinônimo de tenros medalhões a caminho do braseiro. Não precisa ser assim: esta receita aproveita a nobreza dessa carne para passar-lhe um toque oriental. O resultado, contrariando os costumes dos tradicionalistas, é muito bom!
Aqui em casa, picanha é sinônimo de tenros medalhões a caminho do braseiro. Não precisa ser assim: esta receita aproveita a nobreza dessa carne para passar-lhe um toque oriental. O resultado, contrariando os costumes dos tradicionalistas, é muito bom!
Picanha borboleta com legumes orientais
ingredientes [duas porções]
  • 500g de picanha
  • sal grosso moído
  • 1 colher (sopa) de azeite de oliva
  • 60 g de pimentão vermelho em tiras
  • 60 g de pimentão amarelo em tiras
  • 75 g de couve manteiga em tiras, sem os talos
  • 50 g de broto de feijão
  • 60 g de castanha de caju tostada no forno
  • 1 colher (sopa) de gergelim dourado e preto
  • 100 g de shiitake cortado em tiras
  • 40 ml de azeite de oliva
  • 50 ml de óleo de gergelim
  • 1 colher (sopa) de shoyu
  • 25 ml de óleo de gergelim
  • 1 dente de alho
  • 2 talos de cebolinha
  • 1 colher (chá) de gengibre ralado
  • 1 colher (chá) de pimenta dedo-de-moça
  • 1 colher (chá) de suco de limão Tahiti
  • 1/2 colher de sopa de coentro, picado no último momento
Modo de preparo
1. Cortar picanha em cinco fatias de 4 cm de largura cada e temperar com sal. Com a gordura voltada para cima, fazer um corte na carne quase até a outra extremidade e abrir como se fosse um livro. Reservar.
2. Em uma frigideira, dourar ligeiramente o gergelim e reservar.
3. Saltear o shiitake em azeite, temperando com sal e pimenta. Reservar. Repetir o procedimento com pimentões.
4. Saltear broto de feijão em óleo de gergelim e as tiras de couve em um pouco de azeite. Reservar.
5. Aquecer bem uma frigideira ou chapa e nela selar as borboletas por dois ou três minutos de cada lado, ou até estarem no ponto desejado. Retirar a carne e reservar.
6. Na mesma frigideira, acrescentar gengibre, saltear o mix de legumes até aquecerem e adicionar o mix de gergelim tostado.
7. Servir a borboleta no centro do prato, dispor o mix de legumes por cima, decorar com broto de coentro e o molho em volta.

Via e-mail

Impressiona o cuidado do Saikô com seu novo e saudável menu, construído por chefs, nutricionistas e até uma médica. São combinados especiais da culinária japonesa que, como tudo no restaurante, são preparados na hora, às vistas do cliente. Na imagem, a criação de Dani Milhão: uramaki de salmão, shimeji e ovas (dez unidades), guioza de peixe (duas) e dois mini temakis de salmão sem arroz, shimeji, alho-poró, cream-cheese e cebolinha (R$ 81,00). Diariamente, desde 19h - Av. Ijuí, 668, tel. (51) 3333-5533.
Artezanalle se apresenta como produtora de doces artesanais, preparados na própria loja, inaugurada anteontem. Além de atender a eventos, oferece alentada linha para venda em balcão. No Quinta Avenida Center, Rua 24 de Outubro 111 - tel. (51) 3085-4227.
Nos free shops que estiveram em nosso caminho nos aeroportos até Punta Cana, os destaques eram ou rum dominicano ou enormes garrafas de Aperol. Não encontrei esse rum com licor de coco que comento na seção ao lado, mas soube que tem a venda no Brasil. E que não custa caro.
La Estación pretende ser, a partir do dia 6, a primeira boutique de carnes acoplada a um restaurante especializado, na Serra Gaúcha. Integra a Estação Campos de Canella e seus sócios - apaixonados por churrasco - Leandro de Oliveira e Adriana Rambo. A promessa de ambos é a melhor possível: qualidade e preços justos.
 

Um clássico do Caribe

Em nossa recém-encerrada visita a Punta Cana, no mesmo resort que há mais de 13 anos nos acolheu na lua de mel, a maior novidade não foi o parque aquático remodelado, nem o ampliado espaço kids ou os novos restaurantes. Não: coube ao colunista surpreender a família ao apreciar, além de cavas e tintos espanhóis um coquetel em que o diferencial era rum com licor de coco.
O Malibu – esse o nome – é feito no Canadá e importado pela Pernod Ricard americana, que o distribui pelo mundo. Em sua composição, o leve rum de Barbados, destilado três vezes e então misturado a coco, com graduação alcoólica de 21%. No Meliá em que costumamos ficar, da meia dúzia de bares disponíveis um ou outro não caprichava na decoração. Esse é o caso do coquetel da foto, que não tem a fatia de abacaxi, mas resulta em irresistível sabor. A receita é muito fácil.
Malibu Caribbean Rum
  • uma parte de rum Malibu com licor de coco
  • uma parte de suco de abacaxi
  • gelo no fundo do copo
  • Misturar e servir com rodela de abacaxi na borda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia