Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 13/09/2019.
Alterada em 12/09 às 21h17min

Uma terrine saudável

ELECTROLUX/DIVULGAÇÃO/JC
Segundo sua autora, esta receita serve como prato principal, por suas qualidades nutricionais. E além de deliciosa, é saudável e fácil de preparar. Mãos à obra!
Segundo sua autora, esta receita serve como prato principal, por suas qualidades nutricionais. E além de deliciosa, é saudável e fácil de preparar. Mãos à obra!

Terrine de salmão e espinafre

Por Cinthya Maggi, nutricionista
Ingredientes
[quatro porções]
  • 1 maço de espinafre
  • 3 ovos
  • 200g de creme de leite
  • 2 colheres (sopa) de amido de milho
  • 1 pitada de noz-moscada ralada
  • 1 colher (chá) de sal
  • 1 cebola picada
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • 400g de salmão fresco, em cubos médios
  • 1 xícara (chá) de cogumelos Paris picados
  • 1 colher (chá) de sal
  • 1 colher (sopa) de cebolinha verde picada
Modo de preparo
1. Retirar folhas do espinafre, lavar bem e colocar em uma panela. Regar com duas colheres (sopa) de água e cozinhar com a panela tampada, em fogo baixo, por cerca de cinco minutos. Retirar, escorrer e reservar.
2. Em um liquidificador, bater ovos, creme de leite, amido de milho, noz moscada, sal e espinafre por dois minutos. Reservar.
3. Refogar cebola em azeite até amaciar, juntar salmão, cogumelos e sal. Mexer e manter no fogo por dois minutos, ou até que o salmão comece a perder a cor rosada.
4. Adicionar cebolinha verde e colocar no fundo de uma fôrma refratária média, untada com azeite. Por cima, despejar a mistura de espinafre, levar ao forno (200C), por cerca de 30 minutos e servir.

Longe da sofisticação, perto de ótimos sabores

ACARAJÉ foto cpm

CPM/ESPECIAL/JC
Alguns dias em São Paulo sempre nos proporcionam ótimas experiências gastronômicas. Claro que, com nosso Pedro a bordo, restaurantes sofisticados ficam fora da lista. O Consulado da Bahia, por exemplo, reúne simplicidade com culinária autêntica, saborosíssima e preços bem acessíveis. Nós o encontramos em uma esquina de Pinheiros, ainda repleto depois das 14h de sexta-feira. Começamos por dois enormes acarajés, com tijelinhas de vatapá, camarão e farofa de dendê (foto menor abaixo, R$ 22,00).
Das duas moquecas de pescada amarela pedidas, desistimos de uma por falta de apetite. Deu certinho para dois adultos, custou módicos R$ 51,00 (durante a semana, promoção de almoço).Vem com farofa, arroz, pirão e molho de pimenta (foto acima), uma delícia. Com água de coco (no próprio - R$ 7,90), mineral e gorjeta, somente R$ 95,37!
Outra boa surpresa foi a Boizão Steak Grill, no emergente Jardim Anália Franco. Apesar do nome da casa, acredite: fiz uma lauta refeição somente com pescados, como exemplifica a foto maior abaixo - siri, lulas, mexilhões etc. Andréia foi dos largos bufês de entradas frias e quentes até as carnes, passadas à mesa, onde dezenas de lascas de picanha fizeram a alegria do Pedro. Ele pagou R$ 44,95, cada um dos adultos, R$ 92,90. Abre diariamente, mas o horário de sextas a domingos é uma grandeza: das 11h30min às 23h. Reservas: (11) 2671-2022.
 

Moinhos, a Cidade Baixa será aqui

BOIZÃO foto cpm

CPM/ESPECIAL/JC
Incrível: a Banca 40, famosa por sua bomba de sorvete, também abandonou a Rua Padre Chagas, assim como a loja de sushis que havia ao lado, transferida para a Av. Nilo Peçanha. O prédio do finado Paris 6, ali pertinho, está sendo demolido depois de ano e meio sem locatário. A impressão é de que bastará mais uma daquelas badernas dedicadas a Saint Patrick para enxotar os bons comerciantes que ainda restam por lá.
Uma boa notícia é que o prédio do antigo Applebee's está sofrendo reformas. Segundo um flanelinha estabelecido nas proximidades, dará lugar a um pub. Se for bem comportado, como o Dado Pub, ótimo. Mas se pretender incentivar festejos ao ar livre... Imaginem a pacata Rua Fernando Gomes também bloqueada por camelôs vendendo cerveja, beberrões transformando fachadas de prédios em mitórios, como a cada ano acontece na Padre Chagas e em seus arredores.
As arruaças que infernizam moradores e afugentaram bons comerciantes da Cidade Baixa, em breve também se instalarão no bairro Moinhos de Vento. Diferentemente de civilizados cafés e restaurantes que ainda sobrevivem, teremos quiosques, espeluncas e casas noturnas que trazem indesejáveis frequentadores às calçadas e ao leito das ruas.
Seria demais esperar que a Prefeitura limitasse a venda de bebidas somente às mesas dos bares, que a Brigada Militar agisse sempre com a elogiável energia que adotou há algumas semanas na Av. Loureiro da Silva, tomada de assalto por desordeiros? Ou mesmo que considerasse a sugestão da vereadora Monica Leal e autorizasse esses, digamos eventos, em setores dos parques? Harmonia e Marinha do Brasil, por exemplo, têm espaço suficiente. O Sambódromo também. Ainda está em tempo de salvar o que Moinhos mantém de bom.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Carlos Pires de Miranda
Carlos Pires de Miranda
As novidades nas operações gastronômicas no Rio Grande do Sul, receitas exclusivas e dicas de lugares agradáveis para apreciar o melhor da culinária estão na coluna Gastronomia, publicada todas as sextas-feiras.