Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Carlos Pires de Miranda

Gastronomia

homem na cozinha

Edição impressa de 11/10/2018. Alterada em 11/10 às 01h00min

O quinto gosto do acarajé

TADEU BRUNELLI/DIVULGAÇÃO/JC
Já escrevi sobre o Comitê Umami, que identifica um quinto gosto básico do paladar humano, descoberto em 1908 pelo cientista japonês Kikunae Ikeda. Recebo seguidamente receitas que ressaltam essa virtude, mas desta vez acertaram em um ponto fraco do colunista: acarajé.
Desde que a feijoada do Deville terminou, ficamos órfãos de uma delícia que era servida antes dela: preciosos acarajés, ao ponto exato de fritura, sequinhos, crocantes, uau! Tente reproduzir em casa, vai sobrar tempo neste feriadão. E se mais o leitor quiser saber sobre o Umami, peça ao e-mail da página que enviarei informações detalhadas.
Acarajé
Por chef Lisiane Miura
Ingredientes:
  • 500 g de feijão fradinho cru
  • 1 cebola média cortada em pedaços
  • 3 colheres (chá) de sal
  • 2 vidros de azeite de dendê (400 ml)
  • 3 pimentas malaguetas bem picadas
  • 1/2 xícara (chá) de camarões secos, sem casca
  • 1 xícara (chá) de azeite de dendê
  • 2 cebolas médias picadas
  • 1,5 colher (chá) de sal
Modo de preparar:
  1. Na véspera, colocar feijão em uma tigela, cobrir com água e deixar de molho por no mínimo 14 horas.
  2. Escorrer, esfregar os grãos entre as palmas das mãos, para que soltem as cascas.
  3. Bater em liquidificador feijão e cebola, até obter uma massa homogênea. Transferir a uma tigela e temperar com o sal.
  4. Em uma panela pequena, aquecer 400ml de azeite de dendê em fogo médio e, com o auxílio de duas colheres de sopa, moldar os acarajés.
  5. Fritar aos poucos, até ficarem dourados (cerca de três minutos de cada lado). Escorrer em papel toalha e reservar.
  6. No liquidificador, bater pimenta com metade dos camarões secos até que forme uma pasta homogênea. Reservar.
  7. Aquecer azeite de dendê restante em uma panela pequena, e refogar cebola em fogo alto, por cerca de três minutos, ou até murchar. Acrescentar a mistura de camarões, os camarões inteiros restantes e temperar com o sal.
  8. Misturar bem, retirar do fogo e esperar que esfrie.
  9. Cortar cada acarajé ao meio, no sentido do comprimento. Rechear com molho e servir.

Bem mais do que wine bar


ANDRÉA DIONISIA/DIVULGAÇÃO/JC
Sou do tempo em que vinho na mesa do restaurante significava uma garrafa inteira, tudo ou nada. Mandar arrolhar, levar embora o que sobrasse era algo deselegante, impensável se você tivesse almoçado e partisse para algum compromisso profissional depois. Passei por isso sim, beber um cálice, dois se tivesse uma convidada, e pagar o dobro do que deveria.
Escrevi muito sobre isso - inserir meias garrafas nas cartas, ou vender por cálice - até que alguém se atrevesse a bancar a ideia. Creio que no Plaza São Rafael colocaram uma máquina dosadora, mas foi o pequenino Sanduíche Voador, um dos precursores do sucesso do Moinhos de Vento, que consagrou a compra individual de um cálice de vinho, escolhido entre dois ou três rótulos do dia. Ponto.
Imagine agora um vinho-bar, em plena rua Padre Chagas, oferecendo à degustação 64 rótulos simultaneamente, servidos pelo próprio cliente, diretamente em taças, com três escolhas de quantidades - 50, 75 ou 125ml. Imaginou? Pois existe: é o Dionisia, nascido da ousadia de Jaqueline Meneghetti, responsável por outros empreendimentos de sucesso na cidade.
A foto dá uma ideia do que é: no térreo, uma loja com vinhos nacionais e importados, inclusive espumantes, que no andar superior, atingido por uma escadaria imponente, estão disponíveis para consumo em taças. No cardápio há sugestões individuais ou para compartilhar.
Dionisia VinhoBar Rua Padre Chagas, 314 De segundas-feiras a sábados, das 12h às 22h (loja) e das 18h à 0h (bar).

via e-mail


EMPORIO CANELA/DIVULGAÇÃO/JC
Dado Bier do Praia de Belas adiciona novidades ao seus bufês de sempre (foto), a cada noite da semana. Nas segundas-feiras, carreteiros; nas terças, pratos árabes; nas quartas, risotos de camarão ou cordeiro, tudo por R$ 52,90; e aos sábados e domingos, quando o preço passa a R$ 64,90, tem feijoadinha no almoço. Crianças de cinco a nove anos, R$ 25,00, com acesso livre ao espaço kids.
Empório Canela, além do bem pensado menu, agora oferece variadas opções veganas. Ao lado, na foto, samosas de moranga e manjericão - são pastéis integrais à moda indiana. No Centro de Canela, pertinho da Catedral.
A propósito: o Z Café inova em seus menus, adaptando algumas receitas a intolerantes à lactose, celíacos, vegetarianos e veganos. No Z Iguatemi e no Z Hospital Moinhos de Vento tem petit gâteau com calda de morango, brownie, pão de queijo de inhame e batata-doce, brigadeiro 100% cacau e variados sabores de quiches.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia