Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de setembro de 2018.
Dia da Árvore. Dia do Radialista e do Fazendeiro.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Carlos Pires de Miranda

Gastronomia

Edição impressa de 21/09/2018. Alterada em 21/09 às 01h00min

Da sopa ao pudim de leite

CPM /DIVULGAÇÃO/JC
A ideia não foi minha, mas de um amigo que mora nas proximidades da Primo. Em princípio, galeterias são sinônimos de fartura e, pela superespecialização, dificilmente erram. Não foi o caso, no almoço de sexta-feira. O salão era agradável, mesas com boa distância entre si, vista para a rua e um deck com ombrelones em frente à casa, adequado a temperaturas mais amenas. Tudo certo, até começar o rodízio, que custa R$ 39,90 (R$ 49,90 aos sábados e domingos).
Raramente aceito sopa de cappelletti, desta vez não recusei. À primeira colherada, uma decepção: o caldo era apenas a água do cozimento da massa, sem tempero algum! Um lapso imperdoável, superado apenas pelas desculpas e a promessa do garçom de desafiar o cozinheiro a provar o que se atrevera a mandar aos clientes.
Com um atendimento gentil, seguimos adiante: salada verde, radite com bacon, batatas e maionese, polenta frita, galeto e espaguete repostos à vontade, bem diferentes do vexame inicial. Ainda passavam travessas com outras massas, dando andamento ao rodízio, inclusive elogiáveis rondellis de espinafre ao molho de funghi.
Pedimos dois expressos, nos serviram também um pudim de leite (no detalhe), para mim a maior delícia do almoço - veio de brinde, custa R$ 12,00.
CPM /DIVULGAÇÃO/JC

Com um toque de canela


CLEITON THIELE SERRAPRESS/DIVULGAÇÃO/JC
Até o final de setembro acontece a nona edição do Sabores de Canela. Estive em um deles, funciona assim: um elenco de restaurantes, hotéis e pousadas da cidade inscreve algum quitute e se compromete, durante todo o festival, a servi-lo ao público, ou no café da manhã, ou em seu menu, por preços especiais. A especiaria que dá nome ao município é ingrediente obrigatório e aí surgem tentadoras criações em doces e salgados.
Esse da foto, por exemplo, é javali com risoto de maçã verde, canela e chips de presunto parma, criado pela Taberna Viking Bier, uma especialista em cervejas - rua Dona Carlinda, 548, Centro.
Outra atração será o 2º Petit Sabores, de 28 a 30 de setembro, em horários diversos, quando os participantes estarão na praça João Corrêa, servindo diversos pratos, enquanto ocorrem eventos culturais, shows musicais e oficinas profissionalizantes, com entrada franca.
 

A volta do bom e velho gim

Já foi bebida da moda, geralmente com água tônica e uma rodela de limão na borda do copo. Aqui passou, mas em pubs londrinos sempre teve vez, imune ao passar do tempo. Agora o gim retorna ao circuito porto-alegrense através do DRY Moments & Drinks.
Trata-se de um bar e restaurante voltado à alta coquetelaria, com ênfase no gim, presente em 15 dos 40 drinques trazidos pelo mixologista Renato Mussa, vindo do bar Fellows, em São Paulo. Só do famoso destilado são 32 marcas, nacionais e importadas.
No modo restaurante, a chefia de cozinha fica com o gaúcho Kenji Itakura, com passagem pelo D.O.M. de Alex Atala. O menu tem, entre outras sugestões, polvo grelhado com tartar frio de abóbora e picles de cebola, bolinhos de cassoulet e um tentador empanado de Brie, servido com chutney de damasco e torradinhas.
DRY: Avenida Nova York, 48. De terças-feiras a domingos, a partir de 18h.

via e-mail


CPM /DIVULGAÇÃO/JC
Após o churrasco familiar, em um pachorrento domingo, servimos essa seleção de delícias, compradas na infalível Doces Pelotenses. São os meus prediletos entre aquela profusão de opções: bem-casados, queijadinha e quindim.
Em Porto Alegre o único bufê que frequento é o do Juvenil e ali não há problema. Mas em um categorizado bufê de São Paulo, povoado de atentos garçons e com câmeras a todo lado, mal a Andréia pousou a bolsa em uma cadeira já saltou um deles, pedindo para prendê-la com um laço de fita, como está na foto.
CPM /DIVULGAÇÃO/JC
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia