Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 14/01/2020.
Alterada em 14/01 às 06h36min
COMENTAR | CORRIGIR

Frases e personagens

'Não temos patamares preocupantes, mas precisamos sempre observar os números com atenção', diz Bohn

'Não temos patamares preocupantes, mas precisamos sempre observar os números com atenção', diz Bohn


LUIZA PRADO/JC
"As novas características do mercado de trabalho, com maior participação de pessoas sem vínculo formal de trabalho, o atraso nos pagamentos do funcionalismo, a falta de educação financeira, entre outras razões, ajudam a explicar a dinâmica da inadimplência. Hoje, não temos patamares preocupantes, mas precisamos sempre observar esses números com atenção." Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS.
"As novas características do mercado de trabalho, com maior participação de pessoas sem vínculo formal de trabalho, o atraso nos pagamentos do funcionalismo, a falta de educação financeira, entre outras razões, ajudam a explicar a dinâmica da inadimplência. Hoje, não temos patamares preocupantes, mas precisamos sempre observar esses números com atenção." Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS.
"Com o Cadastro Positivo, o consumidor será analisado pelo próprio histórico de pagamentos, e não apenas pelas restrições pontuais existentes em seu nome. Com mais conhecimento, é possível não somente separar os tomadores de crédito, mas também identificar comportamentos e estipular taxas de juros mais adequadas a cada perfil." Roque Pellizzaro Junior, presidente do SPC Brasil.
"Temos um potencial muito grande de investimentos na construção civil, que sempre mobiliza uma parte considerável da economia local." Eduardo Cidade, secretário municipal de Desenvolvimento Econômico.
"Talvez essa seja a feira de maior otimismo dos últimos seis anos. Temos sinais promissores, com as vendas do final de ano e confiança do mercado com as reformas em andamento." Francisco Santos, presidente da Couromoda. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia