Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de janeiro de 2019.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Edição impressa de 08/01/2019. Alterada em 08/01 às 01h00min

Frases e personagens

Guilherme Feliciano

Guilherme Feliciano


MARCELO FERREIRA/CB/DA/DIVULGAÇÃO/JC
"Nenhum açodamento sobre extinção da Justiça do Trabalho será bem-vindo. Não é real a recorrente afirmação de que a Justiça do Trabalho existe somente no Brasil. Existe, com autonomia estrutural e corpos judiciais próprios, em países como Alemanha, Reino Unido, Suécia, Austrália e França." Guilherme Feliciano, presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho.
"A magistratura do Trabalho está aberta ao diálogo democrático, o que sempre exclui, por definição, qualquer alternativa que não seja coletivamente construída." Também Guilherme Feliciano.
"O Brasil tem uma economia fechada e uma democracia com muitos partidos, o que dificulta o avanço de reformas. Para a recuperação sustentável da economia, necessitamos de reformas fiscais, especialmente da Previdência; de garantir a autonomia do Banco Central (BC) e de avançar com as reformas estruturais da instituição previstas na agenda BC , de reformas para aumento da produtividade e abertura comercial." Ilan Goldfajn, presidente do BC, em palestra na Wharton School, da Universidade da Pensilvânia/EUA.
"O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) tem capacidade de devolver neste ano R$ 100 bilhões ao Tesouro Nacional. A instituição tem ainda uma dívida de R$ 260 bilhões para pagar ao Tesouro." Carlos Thadeu de Freitas, diretor-Financeiro do Bndes.
"Chegamos ao recorde da série histórica de déficit habitacional. Hoje, ele ocorre, sobretudo, pela inadequação da moradia - famílias que dividem a mesma casa, moram em cortiços, favelas - e pelo peso excessivo que o aluguel passou a ter no orçamento das famílias nos últimos anos." Robson Gonçalves, da FGV.
"A maior parte do déficit é formada por famílias que ganham até três salários-mínimos por mês, mas a demanda por moradias também atinge consumidores de rendas intermediárias, que viram o mercado de trabalho ficar instável nos últimos anos e o crédito imobiliário mais escasso." Também Robson Gonçalves.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia