Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Edição impressa de 19/09/2018. Alterada em 19/09 às 01h00min

Frases e personagens

Idenir Cecchim

Idenir Cecchim


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
"A chamada Casa Azul já pode ser chamada de casa preta. A cidade tem um sério problema para definir o que é patrimônio histórico. A Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural tem atrasado a cidade. Eles confundem coisa velha com coisa histórica." Idenir Cecchim (MDB).
"É preciso zelar pela integridade física de quem passa no local, Marechal Floriano com Riachuelo, e fazer algo em relação ao assunto. A grande maioria desses imóveis já pertencem à prefeitura, em razão do IPTU em atraso, e, atualmente, representam perigo à sociedade, além do prejuízo comercial devido à falta de circulação de pessoas." Também Idenir Cecchim.
"O grupo político que não promover um ajuste fiscal e que responder por uma possível retomada progressiva da inflação será punido. O cara sabe que se não arrumar a casa, quatro anos depois estará fora do jogo. Em compensação, se arrumar, será reeleito." Samuel Pessôa, economista do Ibre/FGV.
"O novo presidente da República terá que promover necessariamente uma arrumação fiscal. O ajuste fiscal vem porque, do ponto de vista da lógica da política, não fazer o ajuste é pior. Se o presidente não resolver o problema da fratura geológica, vamos ter inflação a 15% ao fim dos quatro anos." Também Samuel Pessôa.
"O Estado está bancando o financiamento de setores lucrativos sem que haja uma contrapartida de emprego e tecnologia. Peguei o parecer que embasou o Rota 2030 e fui procurar a palavra emprego que justificaria a adoção do programa. Não tinha nenhuma. Não há referência a novas tecnologias. É uma repaginação. Nem disfarçaram." Mauro Filho, diretor da Associação Nacional dos Auditores Fiscais.
"O próximo presidente encontrará um País que cresce a taxas baixas e cuja produção industrial engatinha. Os programas dos presidenciáveis não dão relevância para a indústria." Pedro Wongtschowski, presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia