Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Edição impressa de 06/09/2018. Alterada em 06/09 às 01h00min

Frases e personagens

Robson Braga de Andrade

Robson Braga de Andrade


MARCELO CAMARGO/ABR/JC

"A decisão da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de reajustar a tabela de frete prejudica ainda mais o crescimento da economia e agrava as incertezas já existentes. Antes do reajuste, o impacto médio para a indústria já era de 12%. O tabelamento do frete é medida equivocada e simplista, que não soluciona o problema do transporte rodoviário do País nem dos caminhoneiros, agrava os problemas da indústria e pune todos os consumidores brasileiros." Robson Braga de Andrade, presidente da CNI.

"O ajuste nos preços dos fretes se baseou apenas no anúncio do aumento dos preços de diesel nas refinarias, antes mesmo dos preços chegarem nas bombas de combustível ou afetar o custo dos transportadores. A decisão foi tomada pela ANTT sem participação dos embarcadores." Também Robson Braga de Andrade.

"As renúncias tributárias, como desonerações e incentivos fiscais, terão um salto de 23 bilhões em 2019 e vão atingir R$ 306,4 bilhões já no primeiro ano do próximo governo. Com esse valor, seria possível cobrir o déficit de R$ 139 bilhões das contas públicas previsto para o ano que vem e ainda sobrariam R$ 167,3 bilhões no orçamento." Dados do Ministério da Fazenda.

"A decisão do Brasil de negar o registro da candidatura ao Palácio do Planalto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é muito lamentável." Sarah Cleveland, vice-presidente do Comitê de Direitos Humanos da ONU.

"A guerra comercial entre EUA e China aumenta a atenção do Japão em áreas produtoras de alimentos, como a América do Sul. Mas o interesse é forte e crescente, com Trump ou sem Trump. O avanço chinês na região pressiona o Japão a buscar um acordo comercial com o Mercosul." Nobuaki Hamaguchi, professor da Universidade de Kobe.

"O Mercosul, inclusive o Brasil, pode ganhar mais participação no mercado japonês em áreas em que já têm vantagem comparativa. Certamente, produtos agrícolas, como carne e frutas. Para as empresas japonesas, o mais importante seria o setor automobilístico, que gradualmente está se expandindo no Brasil." Também Nobuaki Hamaguchi.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia