Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Edição impressa de 21/08/2018. Alterada em 21/08 às 01h00min

Frases e personagens

Nelson Marchezan Júnior

Nelson Marchezan Júnior


MARCO QUINTANA/JC
"Esta peça orçamentária, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019, apresenta um déficit de R$ 1,164 bilhão. A receita para o próximo ano soma R$ 7,616 bilhões e a despesa projetada é de R$ 8,780 bilhões." Nelson Marchezan Júnior (PSDB), prefeito.
"Buscamos elencar projetos que devem ser entregues em um ano, tornando a cidade mais sadia. Assim como o Estado e o Brasil, Porto Alegre não fez o dever de casa ao longo dos anos. Primeiro vamos pagar o salário do funcionalismo e depois a cidade." Também Nelson Marchezan Júnior.
"Onde vai faltar exatamente este montante apresentado e o que vai ficar descoberto?" Reginaldo Pujol, (DEM), vereador, questionando.
"O método apresentado para elaboração da proposta está baseado em três premissas básicas, priorizando primeiro as despesas com o crescimento vegetativo, que cresce independentemente da receita, como a folha de pessoal. Segundo, o realismo orçamentário e, terceiro, o pacote de entregáveis à cidade, como capina, saneamento e tapa buracos. Queremos ressaltar que este método é tipicamente utilizado em orçamentos de crise." Paulo de Tarso, secretário Municipal de Planejamento e Gestão, respondendo.
"Critico a MP destina recursos do FGTS para socorrer as santas casas e os hospitais filantrópicos que atendem pelo SUS. O fundo poderá disponibilizar para a nova linha 5% do seu programa anual de aplicações, o que será equivalente a cerca de R$ 4 bilhões só neste ano. O setor da saúde conta com dinheiro carimbado do Orçamento. E o rombo dos hospitais mostra que houve algum problema de má gestão." José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).
"Não se deve redirecionar o dinheiro do FGTS para fins distintos da sua fundação original, que são habitação e saneamento básico. Quando alguém está com um problema de falta de recursos, vai no FGTS, que virou um Posto Ipiranga. Se falta recursos, pede no Posto Ipiranga." Também José Carlos Martins.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia