Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 08 de julho de 2019.
Dia do Padeiro.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Osni Machado

Empresários & Cia

Edição impressa de 01/07/2019. Alterada em 08/07 às 09h47min

Ação envolve 2,5 mil alunos de Candiota

Rafael Sittoni Goelzer e Nelson Kadel Jr apresentam o projeto piloto

Rafael Sittoni Goelzer e Nelson Kadel Jr apresentam o projeto piloto


MARCO QUINTANA/JC
A Copelmi Mineração Ltda e a Quinta da Estância, fazenda especializada em educação vivencial, estão unidas em um projeto piloto de educação ambiental, que envolve 2,5 mil alunos de 17 escolas, entre elas, públicas estaduais e particulares e também as localizadas em assentamentos do município de Candiota no interior do Rio Grande do Sul.
A Copelmi Mineração Ltda e a Quinta da Estância, fazenda especializada em educação vivencial, estão unidas em um projeto piloto de educação ambiental, que envolve 2,5 mil alunos de 17 escolas, entre elas, públicas estaduais e particulares e também as localizadas em assentamentos do município de Candiota no interior do Rio Grande do Sul.
"É o primeiro projeto de educação ambiental do Rio Grande do Sul já adaptado à Base Nacional Comum Curricular, criada pelo governo federal", explica o diretor de relacionamento com mercado da Quinta da Estância, Rafael Goelzer. Ele diz que a iniciativa foi estruturada pela equipe pedagógica da Quinta da Estância com o objetivo de universalizar a educação ambiental no município. Segundo ele, utiliza-se o que há de mais moderno em técnicas educacionais, que levam em consideração uma estrutura que tem como frentes a Base Nacional Comum Curricular e os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas.
Goelzer diz que a meta é estimular a criação de alternativas sustentáveis que possam ser desenvolvidas e aplicadas nos entornos das instituições de ensino e na comunidade de Candiota. Ele lembra que a proposta é abranger a totalidade dos estudantes, desde a Educação Infantil, Ensino Fundamental, Médio, Educação de Jovens e Adultos até alunos especiais, de todas as escolas.
"Trata-se de um projeto de mudança que extrapole o ambiente da escola e impacte também as famílias de mais de 2,5 mil alunos", complementa.
Serão mais de 100 oficinas vivenciais dentro do município, que se multiplicarão à medida que os professores incorporarem os conteúdos a rotina da sala de aula. O projeto viabiliza 20 saídas técnicas para realização de monitoramento do entorno das escolas e verificação de possibilidades de atuação na comunidade em termos sociais e ambientais. A partir dessa identificação, os estudantes criarão planejamentos de ações práticas para executar dentro do período de um mês para mudar a realidade da comunidade. Posterior a isso, a equipe da Quinta da Estância retornará à cidade e avaliará os trabalhos desenvolvidos, reconhecendo a melhor iniciativa. Uma abordagem diferente será dada para cada nível educacional.
De acordo com o gerente de Controle da SSM Copelmi Mineração, Nelson Kadel Júnior, a iniciativa é uma ação voluntária e espontânea da mineradora, que também atua em Candiota. "O engajamento no projeto não tem relação com obrigatoriedades ambientais, sendo o objetivo, principal trazer resultados à comunidade", salienta. O objetivo da ação, conforme explica o gerente de Controle da SSM, é a entrega de resultados reais à sociedade de Candiota no curto, médio e longo prazos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia