Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de maio de 2021.
Porto Alegre,
sexta-feira, 14 de maio de 2021.
Notícia da edição impressa de 14/05/2021.
Alterada em 13/05 às 21h14min

Apolinário, Assis e Otávio Rocha

Tonico Alvares/DIVULGAÇÃO/JC
O que fazem estes ilustres rio-grandenses eternizados em bustos? Assis Brasil, Apolinário Porto Alegre e Otávio Rocha aguardam o restauro na Casa Godoy, na avenida Independência, 456. O fotógrafo Tonico Alvares está documentando o pré-restauro. A casa é de 1904 a 1907, e foi construída por Arno Bastian Meyer, onde moraram as famílias Greco, Meyer e por fim Jacinto Godoy Filho. Os bustos serão expostos no Paço Municipal depois de limpos.
O que fazem estes ilustres rio-grandenses eternizados em bustos? Assis Brasil, Apolinário Porto Alegre e Otávio Rocha aguardam o restauro na Casa Godoy, na avenida Independência, 456. O fotógrafo Tonico Alvares está documentando o pré-restauro. A casa é de 1904 a 1907, e foi construída por Arno Bastian Meyer, onde moraram as famílias Greco, Meyer e por fim Jacinto Godoy Filho. Os bustos serão expostos no Paço Municipal depois de limpos.

Os dois corações

Entre as várias histórias que cercam maridos que pulam a cerca e se veem em mais lençóis pelas circunstâncias adversas repentinamente surgidas, está a do marido que teve problemas de coração. Na verdade, dois corações, considerando o dele e o da travessa e libidinosa amante. Os dois se encontravam em locais públicos, como eventos e vernissages, mostra artística muito popular nos anos 1970. E dali partiam para os finalmentes em algum receptáculo imobiliário amoroso.

Em um desses eventos, os comes e bebes foram longe, principalmente os bebes, porque os comes eram poucos e ridículos em sabor e grandeza. Em resumo, o álcool pegou um elevador muito rápido e quando finalmente chegaram no ninho de amor, houve um desfalecimento alcoólico a dois. E aí as coisas ficaram ruins. Ele acordou de manhã. Da boca com gosto de cabo de guarda-chuva, saiu a frase que até ateus usam em emergências.

- Meu Deus!

Se não foi Ele, certamente o Capeta o ajudou. Fiat lux. Ligou para um pronto-socorro cardiológico.

- Pois não?

- Eu queria alugar uma ambulância. E com jaleco de doente.

- Como assim, alugar? Onde está o doente?

- O doente sou eu. Quero uma para me levar em casa.

Depois de muita explicação, o atendente da clínica concordou. Afinal, seria corrida curta e sobrava ambulância. E o dinheiro era bom. O dorminhoco chamou um táxi para a co-dorminhoca e esperou a viatura. Deitou na maca e se foi para casa. Assim que chegou, saiu do carro com luzes vermelhas piscando, vestido com uniforme de doente e abriu o bocão.

- Mulher, quase ficaste viúva!

E se pôs a louvar a medicina e os médicos que salvaram sua vida. Exames mostraram que não houve nada sério, embora o desmaio e ajuda dos amigos que acionaram o recurso quando o viram desmaiar. Puro estresse.

Foi a única verdade contada.

A esquerda no divã I

A esquerda brasileira está fazendo o que nunca soube fazer bem feito: autocrítica. A culpa sempre foi dos outros. O documento inicial que nomina institutos e partidos que farão esta árdua tarefa começa com a constatação de ter sido "derrotada em todas as batalhas políticas da última década".

A esquerda no divã II

Calçar as sandálias da humildade seria um bom começo. Há caquinhos do PT por toda parte, eis que perdeu protagonismo para PSOL em especial. Os votos que recebe são centrados em nomes e não na ideologia. Seria de bom alvitre que oxigenasse a gerontocracia, nomes que são dos anos 1960.

As avós do BBB

Há uma crise medonha de criatividade na teledramaturgia brasileira. Antes quase não saía coisa que prestasse, agora nem isso sai. Inclusive programas de humor. Por isso os remakes e reprises, alguns que não valem a pena ver de novo. Entrementes, a Globo vai reprisar o primeiro BBB.

Morto VIP

Para ver como os expoentes do Crime S. A. são destacados hoje em dia. Um dos fundadores do PCC, o Geleião, figura até no obituário ao lado de pessoas ilustres da comunidade.

Produtores rurais

Os produtores rurais, que atuam como pessoa física, podem a partir da última semana de janeiro/2021 recorrer à Lei nº 14.112 de 2020, para requerer recuperação judicial, o que era restrito aos produtores com registro na Junta Comercial. O entendimento é do Superior Tribunal de Justiça.

Esforço máximo

A hotelaria se esforça para oferecer o máximo de proteção higiênica aos seus hóspedes. Caso da rede de Hotéis Deville, que utiliza produtos com alta eficácia de desinfecção, que antes da pandemia eram usados apenas em hospitais. Um dos diferenciais, por exemplo, é a oxisanitização com pulverização eletrostática.

O quadro da dor

Os dados são da Associação Nacional de Restaurantes: 71% estão endividados; destes, 79% devem para bancos e 54% estão com pagamento dos impostos atrasado.

As tucanas se mexem

O PSDB Mulher lança nesta sexta-feira o clip do seu aniversário, com fundo musical de samba-raiz. Depois haverá debate com João Doria, primeiro pré-candidato tucano ao Planalto a ser ouvido.

O peixe que saiu do frio

A necessidade de guardar algumas vacinas como a da Pfizer em superfreezers, cuja temperatura é de 70 graus negativos, lembra alguns produtos alimentícios que também precisam da mesma temperatura. É o caso dos peixes usados para sushi, para eliminar todos os germes. A fonte é respeitável, o chef e apresentador de TV Anthony Bourdain, falecido ano passado.

Correção

O número correto do celular do artista Roberto Caricaturista, que criou área verde ao lado do prédio da Caixa é 99197.1029.

A vocação da humanidade

Mais uma vez, a guerra. Há alguns anos surgiu uma informação contundente sobre a vocação da humanidade. Em 6 mil anos de registros escritos, só não houve guerras em 320 anos.

Comentários CORRIGIR TEXTO
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.