Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 06 de outubro de 2020.
Notícia da edição impressa de 06/10/2020.
Alterada em 05/10 às 21h44min

Investimento de R$ 20 milhões

LEONARDO LENSKIJ/DIVULGAÇÃO/JC
Com investimento de R$ 20 milhões e capacidade de atendimento de até 400 pacientes por dia, a nova unidade do Hospital Moinhos de Vento, em Canoas, é a primeira fora de Porto Alegre. Ocupará parte do hub da saúde local. A descentralização é baseada num modelo internacional. "Estamos levando a medicina de ponta do hospital aos moradores de Canoas", diz o superintendente executivo, Mohamed Parrini.
Com investimento de R$ 20 milhões e capacidade de atendimento de até 400 pacientes por dia, a nova unidade do Hospital Moinhos de Vento, em Canoas, é a primeira fora de Porto Alegre. Ocupará parte do hub da saúde local. A descentralização é baseada num modelo internacional. "Estamos levando a medicina de ponta do hospital aos moradores de Canoas", diz o superintendente executivo, Mohamed Parrini.

Sua majestade, a cachaça

Projeto sobre a Cachaça Artesanal Gaúcha está pronto para ser votado na Assembleia Legislativa. O deputado Gabriel Souza (MDB) destaca que o PL 159/2020, do Executivo, apresentará uma solução aos pequenos produtores, possibilitando amparo e assessoramento, fortalecendo a categoria. A proposta estabelece requisitos e limites para a produção e comercialização, define diretrizes para o registro e a fiscalização do produtor e cria o Selo da Cachaça.

Pesca de tarrafa

pg 3 banca do Mercado Público de Porto Alegre

FERNANDO ALBRECHT/ESPECIAL/JC
A dor ensina a gemer e o pequeno comércio busca outras fontes de renda além do seu negócio de coração. Lojas de utensílios domésticos vendem frutas em puxadinhos na frente da calçada, e bancas de frutas vendem artigos nada a ver com sua vocação primeira, como pimentas e geleias. Tudo que cai na rede é peixe em tempos de água rasa.

Dormindo em serviço

Ainda dorme no Senado projeto de lei do deputado federal Fábio Schochet (PSL-SC), que libera R$ 4 bilhões para ajudar empresas de ônibus e metrô a amenizar os efeitos da Covid-19. O estrago em Porto Alegre também foi e ainda é grande.

Procura-se passageiro

A EPTC liberou mais vagas para passageiros nos ônibus e lotações, chegando a 70% da capacidade, mas mesmo assim o movimento está 60% inferior em relação ao período anterior à pandemia. No rateio, esse dinheiro talvez não seja muito, mas a essa altura cada real conta.

A erva nossa de cada dia

A Emater e a Secretaria Estadual da Agricultura analisaram o solo dos ervais gaúchos, para identificar fatores que limitam a produtividade, e o resultado não foi muito bom. Informações preliminares mostram deficiência de fósforo e de cálcio na maioria dos solos analisados, nutrientes importantes para a produção de folhas de erva-mate. Também há teores elevados de potássio.

Danado de complicado

É a Super7, a nova loteria da Caixa, cuja primeira extração correu no dia 2. Quase precisa ter canudo para decifrar todas as regrinhas que parecem não ter fim. Diz o bom senso e a lógica que jogo tem que ser "burro", como diz o matemático Davi Castiel Menda, isto é, ser simples. Por isso, a Mega Sena é a preferida - vai pagar R$ 100 milhões nesta quarta- feira.

O foguinho americano

Os incêndios devastadores que assolam periodicamente a Califórnia têm neste 2020 proporções raramente vistas no passado, incluindo a destruição de reservas ambientais. Fauna e flora incineradas. Nem por isso culpam o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Nem o candidato democrata Joe Biden o culpou, muito menos repercutiu o caso na mídia. Aqui é o Armagedon, lá é foguinho.

Por falar em Trump...

...o que tem de torcida brasileira e estrangeira para que Donald Trump não escape do coronavírus não tem no mapa. Se não fosse feio, fariam um despacho com um saco de milho, outro tanto de pipoca e um tonel de cachaça.

O almoço da incógnita

As tradicionais reuniões-almoço das entidades empresariais tiveram continuação sob forma de lives. Fica a dúvida se este modelo vai continuar na normalidade ou se os almoços voltarão. Como as empresas associadas não voam em céu de brigadeiro, pode ser que os almoços não voltem.

Os donos de tudo

Piorou ainda mais um problema que inferniza a vida dos pedestres e motoristas, o vale-tudo dos ciclistas nas ruas e calçadas. Em especial os dos aplicativos. Trafegam na contramão, não respeitam sinal nem faixa de segurança. Alguém viu a EPTC por aí?

Miúdas

  • NOSSA Senhora do Santinho Eleitoral, que campanha mais borocoxô essa!
  • SOBRE os debates, atenção: debate com mais de cinco candidatos é tiroteio.
  • SAÍDA pela gripe. Pode ser essa a jogada de Trump para evitar debates.
  • PREÇOS de hortigranjeiros se preparam para decolar. Muita chuva e zero sol.
  • CARNE bovina servida em parte dos bufês está incomível de tão dura. Sem falar nas pelancas.
  • SÃO Cristóvão, padroeiro dos motoristas, livrai-nos dos buracos das ruas de Porto Alegre.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.