Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 15/07/2020.
Alterada em 14/07 às 21h19min

As cheias no Estado

LUIZA PRADO/JC
A chuva parou, mas a alta dos rios ainda preocupa em todo o Rio Grande do Sul. Ontem, em dia ensolarado, o lago Guaíba estava em 2,39 metros, bem elevado, como se vê na imagem a partir do Cais Mauá, em Porto Alegre.
A chuva parou, mas a alta dos rios ainda preocupa em todo o Rio Grande do Sul. Ontem, em dia ensolarado, o lago Guaíba estava em 2,39 metros, bem elevado, como se vê na imagem a partir do Cais Mauá, em Porto Alegre.

Agora tem que ir I

Parece estranho, mas foi preciso uma pandemia para que o Estado finalmente dê início a uma reforma tributária. Na apresentação do projeto que fez ontem para deputados estaduais, o governador Eduardo Leite (PSDB) contou inclusive com a simpatia da bancada do PT na Assembleia Legislativa.

Agora tem que ir II

Todavia, o partido acha que a guerra fiscal entre os estados é a causa principal da distorção, o que parece ser verdadeiro e por isso mesmo de difícil concordância entre as unidades federativas. É o típico assunto em que os dois lados têm razão, até porque os investidores estão viciados na vantagem fiscal.

Alvíssaras

A Fepam começa a analisar, pela primeira vez, a instalação de uma usina fotovoltaica no Rio Grande do Sul, que vai gerar energia elétrica a partir da luz do sol. É empreendimento da mineira Solargrid. Ficará em uma área de 12 hectares no município de Uruguaina. Conta com um investimento de R$ 1,5 bilhão. Oxalá gere filhotes. Porque é limpa e abundante.

Professor Hackbart

Faleceu, aos 83 anos, o professor Eugênio Hackbart, fundador da MetSul Meteorologia. Era craque no assunto. Analisava o contexto mais amplo das condições meteorológicas. Era contra os exageros retóricos sobre o aquecimento global, creditando as causas parte à atividade humana e parte ao ciclo natural. Enfatizava que se deveria agir na prevenção, antes que o desastre chegasse.

Na marra

A prefeitura pretende limitar, nos horários de pico, o pagamento das passagens nos ônibus da Capital. É a fase do aumento da taxa de isolamento na marra. Ou, por sufocamento, tanto para os usuários quanto para os patrões que pagam o vale-transporte em dinheiro vivo. Quase um garrote vil.

Mais uma

A EPTC colocou em operação mais uma faixa exclusiva de transporte coletivo entre 6h e 9h e das 16h às 19h, desta vez na Siqueira Campos entre as ruas General Portinho e Uruguai, Centro de Porto Alegre. Faz parte do Plano de Priorização do Transporte Coletivo. Só nos falta tê-lo, com as empresas quebradas. Quanto aos carros, abriu- se mais um "sem", os Sem Ruas.
 

Mortes surpreendentes

Revela-se agora que as 1,3 mil mortes ocorridas no Japão após o tsunami e acidente da usina nuclear de Fukushima não se deveram à radioatividade, mas ao frio. Por precaução, todas as usinas nucleares foram desligadas, então, houve uma redução de oferta e aumento de 38% na tarifa. Então, as famílias desligavam a calefação. A fonte é a BBC.

Água gelada

Na cabeça. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central em maio subiu apenas 1,31%, quando se esperava 4,5%. É considerado uma prévia do PIB. A torcida é para que melhore, mas torcida não ganha jogo.

Pequenas recompensas...

...que podem ser grandes. A página publicou, há alguns dias, uma foto de Fábio Mello - retratava um cão com máscara em frente ao Paço Municipal em Porto Alegre. Ao ver a foto publicada no Jornal do Comércio, o rapaz ligou para o pai para contar o caso como o caso foi, contente que estava. De origem humilde, o pai chorou. Coisas assim, bem... coisas assim, emocionam.

De olho na estátua I

Se você olhar fixamente para uma estátua durante um bom tempo, em determinado momento ela parece se mexer. Com essa overdose de informações turbinadas e alarmantes que recebemos diuturnamente, e levando em conta que é sempre o prato do dia, quase sem outras opções no cardápio, será que não estamos olhando o vírus por tempo demasiado e sempre com olho de "morte certa"? Pois foi esse o sentimento injetado na população desde o início.

De olho na estátua II

As informações sobre o ir e ir do vírus nos deixaram paranoicos ao extremo, ainda mais que elas chegam carregadas de energia negativa. São Paulo, a cidade, está com bares e restaurantes abertos e os casos vão diminuindo. Aqui, 30% dos leitos de UTIs estão ocupados por infectados de Covid-19, e mais da metade dos pacientes são de outras cidades. Não muda a periculosidade do vírus, mas, no contexto, há espaço para diminuir a paranoia.

Nosso dia

Escondido em algum canto de registro de efemérides, lá está registrado que hoje é o Dia do Homem. É queixa de muitos não haver um, mas ele existe. Saudemo-nos, mas não se espere muitas festas e homenagens.

Comentários CORRIGIR TEXTO
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.