Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de abril de 2020.
Dia Internacional do Livro Infanto-juvenil.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de abril de 2020.
Notícia da edição impressa de 02/04/2020.
Alterada em 01/04 às 21h46min
COMENTAR | CORRIGIR

Ilhas novas

MARCO QUINTANA/JC
Como todos corações e mentes estão voltados para a pandemia do coronavírus, esquecemos outras desgraças. O Guaíba está tão raso que apareceram "ilhas" novas em Porto Alegre, ao sul da Ilha do Pavão. Sem chuvas expressivas desde janeiro, o quadro é desolador. Mais um.
Como todos corações e mentes estão voltados para a pandemia do coronavírus, esquecemos outras desgraças. O Guaíba está tão raso que apareceram "ilhas" novas em Porto Alegre, ao sul da Ilha do Pavão. Sem chuvas expressivas desde janeiro, o quadro é desolador. Mais um.

Rede congestionada

Com o isolamento, todas as pessoas jurídicas e instituições estão em regime de trabalho em casa. Então, a internet está congestionada. Alunos de cursos EAD já sentem o drama. Não conseguem nem abrir as matérias. Não é fácil viver em quarentena, ainda mais com a internet lenta. Aguenta, coração.

Fora de tempo

Mais um panelaço "democrático" na noite de terça-feira. Assim como os buzinaços, a barulheira decorrente pode ser bonita para a militância, mas não é nada agradável para quem gosta de um pouco de silêncio, para não aumentar o já alto nível de estresse.

Começou

Escritórios em geral e pequenas empresas já estão demitindo funcionários. A renda familiar vai para o brejo.

Corte aqui, alta ali

A Petrobras decidiu cortar 200 mil barris diários (159,1 litros) para ajustar a demanda enfraquecida. Visa resguardar a saúde financeira da empresa. Ok, mas ela não pode errar a mão para evitar desabastecimento. É quase certo que esse corte será argumento para subir o preço na bomba.

A felicidade é...

...poder entrar numa lancheria ou cafeteria e pedir um simples farroupilha com pão d'água bem quentinho e crocante com manteiga, presunto e queijo, mais um expresso duplo. Estaríamos conversados.

Lanche solidário

A CCR ViaSul iniciou a distribuição diária de mil kits de alimentação e higiene para os caminhoneiros no Estado. Com o fechamento de restaurantes e bares na beira das estradas, esses profissionais estão com dificuldades de alimentação.

O vinho, de novo

Por incrível que pareça ainda tem quem espalhe nas redes sociais que o vinho mata o vírus. Nem vinho nem mesmo destilados tem graduação alcoólica suficiente para tal. Repetindo o que a página falou, fosse verdade, Itália e Espanha, onde se bebe vinho desde cedo, teriam contaminação zero ou perto dela.

Números irreais

Há unanimidade entre especialistas que o número real dos infectados no Brasil é muito maior do que nas estatísticas oficiais, por falta de testes em massa. Já se falou em 10 a 15 vezes mais infectados, observação feita também por instituições estrangeiras especializadas. Obviamente impacta na taxa de mortalidade. Se na mesma proporção ou não, merece uma explicação de parte do Ministério da Saúde.

Comparações I

Mais uma vez se lê e ouve sobre a taxa de mortalidade de um país em relação ao outro sem levar em consideração as respectivas populações. Ou seja, usam números absolutos para comparar número de mortes e infectados com populações muito diferentes. Caso da França com Estados Unidos, entre outros.

Comparações II

Também tem que levar em conta o fator "por enquanto". A China pode minimizá-lo, nós não. Se for feito cálculo de letalidade e considerando o fator "por enquanto", o Brasil tem uma morte por milhão de habitantes, enquanto a Itália tem 206 e a Espanha 194, segundo os cálculos do matemático Davi Castiel Menda.

Abram a guaiaca

Se os políticos com cargo eletivo podem criar dinheiro usando o do governo através de projetos de lei, coisa fácil de fazer e sem ônus para eles, quem sabe os partidos abrem mão de parte ou de todo fundo partidário para a Saúde. Para as eleições já existe verba específica, então, poderiam abrir mão.

Secos e molhados

Carrinhos de supermercado não necessariamente estão repletos
de artigos de primeira necessidade. Parte está repleta de cerveja. É o que se vê, de passagem, nas compras nesses dias.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.