Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de janeiro de 2019.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Edição impressa de 04/01/2019. Alterada em 03/01 às 22h48min

Veio, viu...

ARQUIVO/JC
Há 60 anos, o Fusca começou a ser produzido no Brasil. O motorzinho refrigerado a ar tinha apenas 32 cavalos, 36 com o modelo 1300 no final dos anos 1960 e 56 com o motor de 1500 cilindradas cúbicas, ou 1,5 litro na década de 1980. Com motor econômico que recorria pouca manutenção, veio, viu e vendeu mais que pão quente. A foto de 1985 mostra a avenida Presidente Roosevelt, em Porto Alegre.

...e venceu

O que poucos se lembram é que a VW já havia interrompido por alguns anos a produção do carro, mas a pedido do então presidente da República, Itamar Franco (1992-1994) - calcado em incentivos -, o besouro ganhou uma sobrevida. Lendas viram lendas quando o personagem morre, mas o Fusca ainda está vivo por aí. Pode ser visto rodando em qualquer lugar do mundo.

Ô de casa!

Quase tão velho quanto o Antigo Testamento. Depois de um feriadão espichado, as repartições públicas raramente estão abertas e raramente alguém atende o telefone. Foi o caso da prefeitura da Capital na quarta-feira.

Ei, você aí...

...me dá um emprego aí. Alguém deveria fazer um estudo mostrando quantos pedidos de emprego um secretário ou ministro de Estado recebem no início e durante sua gestão. Com subtítulos "parentes", "amigos" e "muy amigos".

Mundo novo

Muito bem, todos já tomaram posse, foram apresentados para os funcionários de carreira e teoricamente só vai. Às vezes, vai para trás. Até conhecer bem o caminho da roça leva uma missa. Como em mudança de engenharia de trânsito, leva dois meses para assimilar o mundo novo.

Historinha de sexta

O Zé da Kombi era um portento em matéria de roubar o veículo que originou seu apelido. Sua área de atuação tinha como epicentro a rua José Bonifácio e ruas perpendiculares que davam no Parque da Redenção. Ninguém sabia exatamente como ele conseguia entrar mesmo com as portas trancadas, mas o fato é que conseguia. Do tipo franzino, rosto crestado pelo sol, castigado pelas intempéries das quebradas do mundaréu, escorregadio como muçum ensaboada, raramente era preso.

Só que toda araruta tinha seu dia de mingau. Ele teve a má ideia de se apaixonar pela Kombi de um cantor nativista, que casualmente era amigo de um delegado de Polícia do primeiro time naqueles anos 1970. Em poucas horas foi preso. Essa era a parte fácil, mas o policial queria saber como ele abria a Kombi em segundos.

Depois de muita psicologia, Zé da Kombi mostrou o segredo. Ele se postava a centímetros do centro do para-choque dianteiro e pulava em cima dele. Em seguida, ouviu-se o ruído característico de portas destrancadas, só um pouco, mas o suficiente para enfiar um arame, abrir o trinco pelo lado de dentro e fazer uma ligação direta. Mas ver era uma coisa, praticar a magia, outra.

Durante muitos meses os vizinhos da DP do delegado em questão se espantavam com uma cena diária. Um policial corpulento pulando em cima do para-choque dianteiro da Kombi da delegacia e depois o olhar desolado e meneando a cabeça para as portas fechadas da viatura.

Alhos por bugalhos

Acaneta usada na posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL) não era uma Bic, afinal de contas, mas uma esferográfica parecida, a brasileira Compactor. Quem faturou com a falsidade foi a fabricante da marca francesa, e sem botar um centavo de verba publicitária. Lembra uma história antiga atribuída a um jogador de futebol, que em uma entrevista agradeceu "as Brahmas que a Antártica me mandou".

Miúdas

  • UMA mentira repetida várias vezes se torna verdade. Caso do vídeo da facada. Joseph Goebbels sabia das coisas.
  • MENOS mal que o corte de horas extras no Estado não será linear. Brigada Militar e Polícia Civil poderão usar o recurso.
  • É importante ter policiais em horários estendidos, pois quem gosta de fazer hora extra é bandido.
  • CORREÇÃO: considerando o horário de verão, o período mais perigoso para se expor ao sol é entre 10h e 16h.
  • NOTÁVEL nas redes sociais é a ausência de compreensão da ironia. Nem os três pontinhos adiantam. Mundo chato. E burro.

Finais

  • BANRISUL Corretora de Valores está isentando todos os clientes do pagamento da taxa de custódia de títulos do Tesouro Direto.
  • UNIMED Porto Alegre estará com intensivo de verão do programa Viver Bem Sem Cigarro, na rua Miguel Tostes, 823.
  • FALECEU Ivonne Loth Peters, uma das primeiras funcionárias da prefeitura de Sapiranga.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
carlos Alberto 04/01/2019 10h48min
Caro Jornalista, bom dia. Desculpe mas não entendi sua colocação sobre a "FACADA" . Um pouco sem contexto explicito e sem objetividade. O que o Senhor queria dizer/afirmar? Não consegui captar. Enfim, se puder dar, em próxima coluna , um pouco mais de conteúdo, vou entender. Mas como foi colocado, na minha opinião, é dúbio. Como sempre, seu leitor. Atento.