Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 09 de outubro de 2020.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 09 de outubro de 2020.
Notícia da edição impressa de 09/10/2020.
Alterada em 09/10 às 03h00min

Elogios e constatações

Numa daquelas edições especiais dedicadas a cinematografias diversas e a nomes importantes da História do Cinema, a revista Cahiers du Cinéma, na sua fase de capa amarela, quando exerceu grande influência, valorizando nomes então negligenciados pela geração anterior de críticos, sem contestar a importância de vários mestres já consagrados, Jean-Luc Godard escreveu a respeito de Charles Chaplin dizendo que ''hoje dizemos Charles como quem diz Leonardo e Chaplin como quem diz Da Vinci". E acrescentava que "a ele devemos tudo. Ele inventou o plano-sequência em A rua da paz e o cinema-verdade no trecho final de O grande ditador". Este não foi o primeiro elogio de um cineasta para outro.
Numa daquelas edições especiais dedicadas a cinematografias diversas e a nomes importantes da História do Cinema, a revista Cahiers du Cinéma, na sua fase de capa amarela, quando exerceu grande influência, valorizando nomes então negligenciados pela geração anterior de críticos, sem contestar a importância de vários mestres já consagrados, Jean-Luc Godard escreveu a respeito de Charles Chaplin dizendo que ''hoje dizemos Charles como quem diz Leonardo e Chaplin como quem diz Da Vinci". E acrescentava que "a ele devemos tudo. Ele inventou o plano-sequência em A rua da paz e o cinema-verdade no trecho final de O grande ditador". Este não foi o primeiro elogio de um cineasta para outro.
Quando, através de uma série de filmes que colocaram na tela inovações narrativas e descobertas essenciais para o desenvolvimento da linguagem cinematográfica, Serguei Eisenstein e colegas de geração e trabalho exaltaram a figura de David Wark Griffith como a grande inspiração, por ter, em O nascimento de uma nação e Intolerância, lançado as bases e revelado as potencialidades da montagem. Mais tarde, Woody Allen, várias vezes, exaltou a figura de Ingmar Bergman, classificando o cineasta sueco como o maior de todos. Stanley Kubrick, de certa forma, repetiu o seu colega, ao enviar uma carta de admirador ao cineasta de Gritos e sussurros. Kubrick, que além de melômano (disse uma vez que em sua discoteca havia tudo o que tinha sido gravado de obras do século XVIII) foi um entusiasmado pelo xadrez, prestou ao Bergman de O sétimo selo uma homenagem numa sequência de 2001: uma odisseia no espaço, aquela na qual o astronauta vivido por Gary Lockwood enfrenta o computador, aproximando assim um dos protagonistas de sua obra-prima ao cavaleiro medieval vivido por Max von Sydow. O jogo com a morte era assim repetido no maior filme de ficção científica até hoje realizado.
No seu elogio a Chaplin, Godard destacou a realidade cênica como elemento essencial. Percebendo na coreografia uma arte valorizadora do movimento e do desenho no espaço criado através do corpo humano, o criador de Tempos modernos aproximou o cinema das riquezas que o olhar humano pode descobrir. Em de seus mais belos filmes, Luzes da ribalta. Chaplin transformou os movimentos de uma bailarina na alma e na criação do artista em movimento eterno, no último plano do filme.
Em todos os filmes que realizou, os melhores e os mais discutíveis, Godard, um insatisfeito com a narrativa convencional, nunca abandonou, no plano filmado, a realidade. É na montagem que seu cinema provoca entusiasmos e discordâncias. De certa forma, ele procurou unir Chaplin com Eisenstein. Este, como se sabe, enfrentou problemas e proibições criados pela força da burocracia. E Godard nunca chegou a ser um nome admirado por grandes plateias. Ele nunca repetiu o êxito de alguns dos nomes que ele admirava, nos policiais e musicais americanos, por exemplo. Certamente porque seu cinema violentava a realidade, não na imagem e sim na aplicação das regras ditadas pelo passar do tempo, alteradas por ele no uso da montagem. Eisenstein e Godard são referências essenciais, mas o cinema por eles proposto permanece como um ponto luminoso no campo da teoria.
Uma volta às origens, ao tempo dos irmãos Lumière e George Méliès, certamente nos permitirá um contato com a essência de nossa arte. Os primeiros, que não acreditavam muito no futuro de seu invento, descobriram algo que permitia a captação da realidade, conferindo movimento a figuras presas em fotografias. Mas tal invento não poderia ser limitado pela captação do real. Era necessário que a fantasia exercesse seu papel, como elemento primordial de um processo destinado a descoberta de novos mundos.
Uma viagem à lua não era, assim, apenas uma aventura. Hoje, aquele filme pioneiro nos parece uma jornada simbólica, concretizando a ideia de que o cinema não poderia se limitar a captar a realidade. Era necessário enriquecê-la com a imaginação, essa geradora de descobertas, não apenas no cenário da arte. E como não há como negar que o comutador de Alphaville é o antecessor do Hal kubrickiano, é também possível constatar que sempre haverá algo de Méliès em 2001. Esta unidade e esta solidez protegem o cinema da mediocridade que o ameaça internamente e dos ataques de inimigos criados pelo desconhecimento de sua importância.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Hélio Nascimento
Hélio Nascimento
Um dos mais respeitados críticos de cinema em atividade, Hélio Nascimento analisa os melhores filmes em cartaz todas as sextas-feiras no Jornal do Comércio.