Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 03/01/2019.
Alterada em 02/01 às 22h41min
COMENTAR | CORRIGIR

A esperança não pode morrer

Na aurora do novo ano desejamos feliz ano novo a quem encontramos.
Na aurora do novo ano desejamos feliz ano novo a quem encontramos.
Estamos sempre desejando novos tempos em que as utopias - que, até agora, só pudemos sonhar - sejam transformadas numa grande e permanente "eutopia". O mesmo desejo é compartilhado pelos mais diversos setores da sociedade. Por toda parte, ouvem-se pessoas desejando umas às outras que prevaleça, ao longo de todo o novo ano, a humanidade com seus préstimos de liberdade e justiça.
Para que os desejos de paz e prosperidade se realizem, faz-se necessário conscientizar, promover e assegurar o devido respeito em todas as dimensões da vida e convivência de pessoas e grupos, de todas as classes e condições, seja de raça, sexo, crença ou situação social, econômica, cultural ou política.
As utopias certamente nunca vão se realizar totalmente. Mas são elas que nos animam e nos mantêm no caminho. Elas podem ser comparadas com as estrelas. São inatingíveis, mas encantam a noite e orientam navegantes e peregrinos.
Sentimos a necessidade de promover a unidade do nosso povo. Há o risco real de o fosso aumentar ainda mais entre os que têm acesso aos recursos econômicos, bens e serviços e os que são privados de tal possibilidade.
Alguns grupos monopolizam cada vez mais os frutos daquilo que se denominou liberalismo global. Os dados são preocupantes! As 100 pessoas mais ricas do mundo, por exemplo, possuem, juntas, mais do que os 4 bilhões mais pobres. Não seria algo descabido se, num futuro próximo, esse pequeno grupo mais rico passasse a possuir não apenas a maior parte da riqueza do mundo, mas também a maior parte da cultura e da saúde. Estes dados refletem, de algum modo, a realidade nacional.
É possível superar os desafios para que possamos viver numa sociedade mais justa e fraterna? Certamente! É sempre possível melhorar, desde que haja um autêntico esforço comum. Dentro de cada pessoa humana há potencial para crescermos em fraternidade, no qual o bem comum seja verdadeiramente promovido, a participação de todos nos recursos naturais e econômicos, incentivada, e o acesso aos bens e serviços, garantido.
É dever da sociedade cooperar para que todos tenham as necessárias condições para seu desenvolvimento integral. Esse "é o único caminho para a promoção de um mundo mais humano, onde cada pessoa possa dar e receber, e onde o progresso de uns não seja mais um obstáculo ao desenvolvimento de outros, nem um pretexto para a sua sujeição" (Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 175).
**Para o Dia Mundial da Paz, o Santo Padre Francisco publicou uma mensagem, cujo título é "A boa política está ao serviço da paz".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Evandro Colares 03/01/2019 08h40min
Bela mensagem de Dom Jaime para o início deste 2019. Que seus votos realizem-se!