Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de outubro de 2018.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Edição impressa de 11/10/2018. Alterada em 11/10 às 01h00min

Façamos tudo o que Ele nos disser

Por Dom Donizeti de Sousa, Bispo Auxiliar de Porto Alegre
Em um mundo marcado fortemente pelo secularismo, no qual a religião deixa de ter importância para muitos e o próprio Deus vai sendo descartado de tantos espaços e corações, precisamos nos questionar sobre como vivemos nossa própria fé e, acima de tudo, como a transmitimos aos outros. Transmissão essa que se faz com palavras quando necessário, visto que o testemunho de vida será a melhor forma para transmiti-la.
Dentro dessa questão fundamental do viver uma fé sólida e verdadeira em Jesus e transmiti-la é que podemos falar sobre expressões religiosas existentes no mundo em que vivemos. Para que uma expressão religiosa seja verdadeiramente cristã, é preciso que a mesma esteja fundamentada na boa nova do Evangelho e na pessoa de Jesus Cristo. E não temos como viver uma fé cristã verdadeira fora da vida em comunidade. Lembremos o que Jesus disse: "onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou eu no meio deles" (Mt 18, 20).
Voltando a falar sobre expressões religiosas ligadas a fé cristã, lembremos que tudo o que não leve a viver uma profunda intimidade com Jesus e a amar concretamente o próximo, sobretudo pobres e marginalizados, não corresponde ao Evangelho. Disse Jesus: "Nem todo aquele que me diz 'Senhor, Senhor' entrará no Reino dos céus, mas sim aquele que pratica a vontade de meu Pai que está nos céus" (Mt 7,21). Não faltam exemplos na história de pessoas que viveram essa profunda comunhão com Deus por meio de uma entrega radical ao seu projeto de vida, doando-se totalmente em favor dos outros. Entre tantos exemplos, Maria ocupa um lugar todo especial. Ela soube entregar-se totalmente à vontade de Deus em vista da salvação da humanidade. Eis a razão pela qual nós, católicos, a veneramos e a chamamos como "bendita entre todas as mulheres".
Assim sendo, toda devoção, respeito e amor que demostramos para com Maria a quem temos como Mãe de Jesus e nossa, é fruto dessa convicção de que a mesma foi escolhida por Deus em vista da realização de sua promessa de salvação da humanidade. Aquilo, portanto, que acompanhamos, especialmente nesses dias em Aparecida do Norte, junto ao Santuário dedicado a ela com o título Nossa Senhora Aparecida, além de ser expressão desse amor e respeito que ela merece é também oportunidade para que muitos cresçam na fé e no compromisso com o Evangelho de Jesus Cristo.
Que as palavras "fazei tudo o que ele vos disser" (Jo 2,5), proferidas por Maria nas bodas em Caná, continuem sendo acolhidas por nós e, assim, sejamos instrumentos nas mãos de Deus para que a transformação necessária, segundo o Evangelho, aconteça nas famílias e na sociedade.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia