Porto Alegre, quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Supremo Tribunal Federal

Notícia da edição impressa de 24/12/2019. Alterada em 24/12 às 03h00min

STF autoriza extradição de acusado de integrar máfia italiana

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu autorizar a extradição do italiano Patrick Assisi, condenado a mais de 30 anos de prisão por tráfico de drogas pela Justiça da Itália. De acordo com a Polícia Federal (PF), ele teria ligações com a Ndrangheta, máfia que atua na Calábria.
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu autorizar a extradição do italiano Patrick Assisi, condenado a mais de 30 anos de prisão por tráfico de drogas pela Justiça da Itália. De acordo com a Polícia Federal (PF), ele teria ligações com a Ndrangheta, máfia que atua na Calábria.
Em julho, por determinação do STF, Assisi foi preso pela PF em Praia Grande (SP), onde morava em uma cobertura de luxo. No dia da prisão, os agentes apreenderam armas, munições, três quilos de cocaína, maços de euros e dólares, e R$ 770 mil, além de celulares e documentos falsos.
O grupo mafioso Ndrangheta, com origem na região da Calábria, Sul de Itália, controlaria 40% dos envios globais de cocaína, representando o principal esquema criminoso importador para a Europa. Assisi estava foragido desde de 2014, com passagens por Portugal e Argentina. O italiano deve continuar preso na penitenciária federal em Brasília até o fim do trâmite legal da extradição, que deve ser efetivada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
versão para folhear
versão para folhear
versão para folhear
versão para folhear
versão para folhear

EXPEDIENTE

Reportagens