Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de outubro de 2019.
Dia do Nordestino e dia Nacional do Combate a Cartéis.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Direitos Humanos

Edição impressa de 08/10/2019. Alterada em 08/10 às 03h00min

Associação pede revogação de orientação do Itamaraty sobre o conceito de gênero

A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT) ajuizou na semana passada uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que a Corte ordene ao Itamaraty que revogue sua orientação sobre o conceito da palavra "gênero". O jornal Folha de S.Paulo revelou que diplomatas receberam instruções do comando do ministério para reiterar "o entendimento do governo de que a palavra gênero significa o sexo biológico: feminino ou masculino" durante negociações em foros multilaterais.

Na ação, a entidade afirma que os atos do Itamaraty são inconstitucionais porque violam direitos das pessoas LGBT que foram reconhecidos pela Corte. Os advogados citam a ação direta de inconstitucionalidade 4275/DF, na qual o STF reconheceu o direito de mudar o sexo no registro civil sem autorização judicial e sem necessidade de a pessoa fazer uma cirurgia de mudança de sexo. Nesse processo, julgado em março de 2018, os ministros decidiram por unanimidade que "o direito à igualdade sem discriminações abrange a identidade ou expressão de gênero".

Para a associação, "ao substituir o termo 'gênero' por 'sexo biológico: feminino ou masculino', (... se) nega a possibilidade de reconhecimento às pessoas que não se enquadram" nesses conceitos. A associação tentou obter cópias das instruções para apresentá-las ao STF, mas a pasta se negou a fornecê-las. Em resposta a um pedido da ABGLT sob a Lei de Acesso à Informação, o Itamaraty afirmou que o conteúdo havia sido classificado como sigiloso por ser "sensível para a condução de negociações internacionais do país".

leia mais notícias de Jornal da Lei
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia