Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

opinião

Edição impressa de 07/05/2019. Alterada em 07/05 às 03h00min

Os quatro pilares dos serviços jurídicos

José Paulo Graciotti
Um dos fluxos de recursos na economia refere-se à prestação de serviços e os serviços jurídicos. De um lado existem pessoas ou grupo de pessoas (formando escritórios de advocacia ou departamentos) detentoras desse conhecimento jurídico/legal; e do outro, pessoas, empresas e negócios carentes de orientação jurídica para elaboração de suas necessidades.
O patrimônio de um prestador de serviço jurídico é representado pelas pessoas que o compõe e seus respectivos conhecimentos e experiências acumuladas, de modo que esse "ativo" desce o elevador (ou escadas) e vai para casa todos os dias no final do expediente, tornando zero o seu valor caso esse "ativo" não retorne na manhã seguinte!
Desta forma considero que os quatro pilares de um prestador de serviços são: seus talentos, representados por sua equipe de advogados (incluindo os sócios); as informações e dados coletados, armazenados, indexados e utilizáveis, gerando o conhecimento explícito e tácito; a tecnologia embarcada nesse ambiente possibilitando a conexão entre os pilares anteriores e, por fim, a coordenação geral de tudo isso criando foco e direcionando os esforços em direção ao resultado.
Os consumidores de serviços jurídicos estão inseridos no mercado como um todo e seguem suas tendências esperando dos prestadores alta qualidade, excelente prestação de serviços e preços competitivos, gerando nestes últimos a necessidade de se adaptarem ou reinventarem adotando o mantra de "fazer mais com/por menos".
A metáfora, por mim adotada, é a de um tabuleiro de xadrez na gestão de um escritório de advocacia, onde a simples movimentação de um peão pode desencadear uma alteração estratégica que resultará num xeque-mate de um ou de outro lado.
Para exemplificar as componentes principais de cada pilar e a interação entre elas, temos:
A principal interação entre o pilar da Informação (governança) e o pilar da Coordenação (representado pelos sócios e gestores) origina a gestão estratégica;
A principal interação entre o pilar da Tecnologia (representado por todos os sistemas instalados) e o da Informação origina a eficiência, com a utilização correta e rápida dessas informações;
A principal interação entre o pilar dos Talentos (representado pela equipe e sua formação técnica) e o pilar da Tecnologia e da Informação (representados pelo acesso às informações e ao conhecimento acumulado) origina a qualidade do trabalho executado;
E a principal interação entre o pilar da Coordenação (representado pelos sócios e/ou gestores) e o pilar de Talentos origina a elaboração correta e tempestiva dos trabalhos.
O resultado final produz o que o mercado deseja: um trabalho de qualidade associado a uma excelente prestação de serviços executado tempestivamente e com o uso correto de recursos, agregando valor ao cliente com preços competitivos.
Sócio da Graciotti Assessoria Empresarial
 
leia mais notícias de Jornal da Lei
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia