Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 16 de abril de 2019.
Páscoa.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Edição impressa de 16/04/2019. Alterada em 16/04 às 03h00min

Contratos agrários típicos e sua extinção por violação às normas trabalhistas

Paulo Mauricio Bonorino
Os contratos agrários típicos são os elencados na Lei nº 4.504/64, amplamente conhecida como o Estatuto da Terra, na qual estão previstos os contratos de parceria (agrícola, pecuária, agroindustrial ou extrativa) e o arrendamento rural. É importante compreender que cada uma dessas duas modalidades possui consequências diferentes não somente quando se trata da remuneração do contrato, mas também das eventuais repercussões e responsabilidades que uma ou outra espécie de contrato poderá trazer aos contratantes, inclusive no âmbito das relações de trabalho existentes naquele imóvel agrário.
Deve ser lembrado que o imóvel agrário deve, por previsão constitucional e também legal contida no Estatuto da Terra, atender e desempenhar sua função social, o que inclui a observância às normas de direito do trabalho, critério esse que vem expresso na Lei nº 4.505/64. Sendo assim, é relevante que, ao formularem seus contratos, as partes atentem para elencarem entre os motivos para o justo e motivado encerramento do pacto, o descumprimento das normas trabalhistas pelo contratante que as infringir, tendo por fundamento o art. 92, parágrafo 6o, do Estatuto da Terra e o art. 27 do Decreto nº 59.566/66. Em um caso extremo, e dependendo da gravidade da infração constatada, até mesmo o despejo do infrator poderá ser clausulado no contrato.
Quando se tratar de um contrato de arrendamento, no qual o arrendador e o arrendatário não partilham riscos, nem perdas ou lucros, deve restar claro que não há de se apurar a responsabilidade do arrendador por eventuais infringências às normas trabalhistas, como, por exemplo, o não fornecimento de algum equipamento de proteção individual, pois esse arrendador não pratica nenhuma atividade agrária. Todavia, é importante que conste a referida cláusula de extinção do pacto em caso de descumprimento das referidas normas para que o mesmo possa se desvencilhar mais rapidamente do arrendatário infrator e exercer seu direito às perdas e danos se assim desejar.
Diferente é a situação quando se está diante de um contrato de parceria, no qual os parceiros compartilham riscos por ganhos ou perdas, acabando por partilharem também os riscos advindos de eventual descumprimento das normas de medicina e segurança do trabalho, por exemplo. Nesse caso, ambos os parceiros virão a responder solidariamente pela inobservância às normas laborais. E, nesse caso, importante será estabelecer cláusula que assegure um meio de apuração da proporção de responsabilidade de cada parceiro para futuro exercício de direito às indenizações ou às retenções cabíveis entre um e outro.
Especialista em Direito Agrário
leia mais notícias de Jornal da Lei
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia