Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de dezembro de 2018.
Dia Internacional do Migrante.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

opinião

Edição impressa de 18/12/2018. Alterada em 18/12 às 01h00min

Divergências entre as economias impactam na obtenção do visto L1

Daniel Toledo
Com as mudanças previstas para a economia a partir do novo governo, algumas pessoas veem perspectivas para manter suas empresas e iniciar novos negócios, seja em território nacional ou internacional. Ainda assim, ressalvo que devemos deixar as expectativas um pouco de lado, para assim evitar possíveis decepções e estruturar melhor qual estratégias será adotada.
Há alguns anos, o L1 havia se tornado o principal visto pedido por brasileiros para abrir uma empresa, porque era feito através de um caminho mais simples. Com uma empresa aberta, bastava movimentar, entregar a documentação e aplicar o processo. Porém, de dois anos para cá, especialistas, consultores e estudiosos do mercado, analisaram que o cenário mudou. A imigração percebeu que os brasileiros não são tão organizados e, portanto, não seguiam toda a mecânica necessária para manter o negócio. Isso acontece porque os empresários e seus sócios brasileiros costumam fazer divisão de lucro.
Tendo em vista que o governo do Brasil é o maior sócio de todos os brasileiros, muitos empresários têm mais de uma empresa para distribuir e evitar que as inúmeras taxas e impostos torne o negócio totalmente inviável. Muitos dividem seus lucros para proteger seu patrimônio sobre uma série de fatores, principalmente sobre uma fragilidade jurídica que existe no Brasil, seja em questões trabalhistas ou de inadimplência.
O maior problema, como já comentei outras vezes, é que o empresário brasileiro é confundido com instituição financeira, mas tem que vender a prazo e sem juros, enquanto o banco não lhe oferece prazos pontuais e lhe cobra juros altíssimos. Esse sistema sufoca e faz com que os gestores busquem artifícios que podem atrapalhar a análise processual que compromete o visto L1, uma vez que esses números fogem da empresa que está em funcionamento nos EUA, que deve ter uma base mais sólida, planejada e estruturada. Por conta deste cenário, as expectativas dos solicitantes não foram atendidas em razão de algumas deficiências divergentes de documentação. Isso resultou não no mal funcionamento do L1, mas pelo simples fato que as empresas não estavam 100% redondas.
Além de experiência e habilidade, é necessário persistência para se manter dentro dos negócios. Percebi que o brasileiro tem o costume de procurar caminhos mais curtos, fáceis e baratos, o que pode gerar uma catástrofe. Antes de iniciar seu investimento, analise com meticulosidade o mercado em que você pretende entrar. Já vi muita gente quebrando a cabeça e gastando tudo o que tinha para manter algo que não havia dado certo, por falta de conscientização.
Recentemente, comentei sobre o mercado de luxo, especificamente em Miami. Este segmento, em 2017, movimentou US$ 8,9 bilhões na cidade, com crescimento de 12,6% ao ano. Por isso, levanto essa questão mais uma vez, pois vejo potencial nesse segmento, que raramente passa por crises. Acredito nesse mercado porque seus clientes buscam algo exclusivo, e consequentemente tem possibilidade de pagar um pouco mais por isso. Mas reforço que, independentemente do nicho de mercado que você almeja, é importante contratar uma consultoria de negócios que irá auxiliar a como economizar, contribuindo com um suporte para qualquer investimento.
Sócio da Toledo and Associates, Law Firm
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia