Porto Alegre, terça-feira, 09 de novembro de 2021.
Dia do Hoteleiro.
Porto Alegre,
terça-feira, 09 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Navegação

- Publicada em 09/11/2021 às 03h00min.

Tecon Santa Clara registra crescimento anual de 27%

De acordo com dados da Antaq, operação aumentou movimento e atrai atenção de empresas

De acordo com dados da Antaq, operação aumentou movimento e atrai atenção de empresas


/WILSON SONS/DIVULGAÇÃO/JC
Ao completar cinco anos neste mês, a operação da Wilson Sons no Tecon Santa Clara é a que mais movimenta contêineres no Brasil, de acordo com o anuário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Nesse período, o terminal fluvial localizado na cidade de Triunfo apresentou média de crescimento de 27% por ano e transportou 196.539 TEU (unidade correspondente a um contêiner de 20 pés) em 1.756 viagens.
Ao completar cinco anos neste mês, a operação da Wilson Sons no Tecon Santa Clara é a que mais movimenta contêineres no Brasil, de acordo com o anuário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Nesse período, o terminal fluvial localizado na cidade de Triunfo apresentou média de crescimento de 27% por ano e transportou 196.539 TEU (unidade correspondente a um contêiner de 20 pés) em 1.756 viagens.
"O Tecon Santa Clara vem demonstrando sua eficiência e, cada vez mais, ganha a atenção das grandes indústrias no Rio Grande do Sul. Esses resultados mostram o quanto a navegação interior é importante para a economia gaúcha", ressalta o diretor-presidente do Tecon Rio Grande, Paulo Bertinetti.
Empresas da região enxergam no modal uma série de benefícios como a otimização de custos logísticos e menor risco de acidentes e avarias para as cargas. É o caso da Tramontina, cliente do Tecon Santa Clara desde o primeiro mês de operação em outubro de 2016: "O Tecon Santa Clara tem sido um parceiro estratégico para os negócios da Tramontina, tanto nas exportações quanto nas importações. Por estar logisticamente próximo à fábrica, temos um atendimento mais previsível e personalizado, além de contarmos com um ponto de apoio para coleta e entrega de contêineres, o que é um diferencial", destaca Sônia Deitos, diretora Administrativa Financeira da Tramontina."
Com a ampliação dos princípios de ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança), a navegação interior também tem sido um importante aliado para as empresas no desenvolvimento de projetos logísticos mais verdes.
Estudo realizado pela Wilson Sons mostrou que o transporte de contêineres via Tecon Santa Clara pode reduzir em mais de 70% a emissão de gases do efeito estufa se comparada com o transporte rodoviário. Sônia Deitos comenta que outro fator que avalia positivamente "é o resultado da combinação do modal fluvial com o rodoviário, que gera menor volume de poluentes e também proporciona maior equilíbrio da matriz de transportes."
Resinas, madeira, produtos químicos, frango congelado, borrachas e utensílios domésticos representam 80% das mercadorias que passam pelo Tecon Santa Clara. Os produtos - de importação, exportação e cabotagem - têm como origem ou destino as cidades de Farroupilha, Carlos Barbosa, Garibaldi, Caxias do Sul, Veranópolis, Cruz Alta, Lajeado, Taquari e Serafina Corrêa. Entre os serviços disponibilizados pelo terminal, está a possibilidade de estufar e desovar produtos nos contêineres.
O Tecon Santa Clara iniciou suas operações com uma barcaça, em outubro de 2016, quando a parceria entre Wilson Sons e Braskem reativou o Píer IV do terminal e retomou o transporte de carga pelo Rio Jacuí entre Triunfo e o Porto do Rio Grande. Dois anos depois, a Wilson Sons ampliou sua capacidade com a disponibilização de mais uma barcaça, passando a oferecer quatro viagens semanais.
 

Transportadora realiza cabotagem fracionada por meio do terminal

Operação LF Logística no Tecon Santa Clara
Operação LF Logística no Tecon Santa Clara
/LF logística/divulgação/jc

Reduzir consideravelmente os custos e zerar avarias no transporte de cargas. Esses são os resultados já comprovados através do transporte por cabotagem fracionada, criado pela empresa gaúcha LF Transportes e que ocorre através do Tecon Santa Clara, em Triunfo. A modalidade oferece ao cliente uma série de benefícios logísticos com vantagens operacionais, econômicas, ecológicas e sociais. O sistema criado em 2014 pela LF é inédito.

A partir de uma parceria com o armador Log-In Logística Intermodal, a transportadora desenvolveu uma solução capaz de potencializar a rentabilidade dos clientes, reduzir o custo do frete e o índice de avarias, além de dar maior assertividade aos prazos de entregas. Afora isso, a modalidade retira boa parte da frota das rodovias, colaborando com a segurança no trânsito, com o meio ambiente e com o aspecto social dos profissionais envolvidos.

Os ganhos da cabotagem fracionada vêm sendo percebidos pelos clientes da LF Transportes e do Tecon Santa Clara. Neste tipo de transporte marítimo, que acontece dentro da costa do próprio país, é possível acomodar pequenos lotes de diferentes mercadorias e empresas, em um mesmo contêiner. Isso permite à transportadora alocar produtos como bebidas, móveis, peças, utilitários, entre outros de forma personalizada e assertiva. De Triunfo, as cargas vão para o Tecon Rio Grande, que leva as mercadorias para os outros portos brasileiros num prazo de tempo um pouco maior na comparação com o rodoviário, mas largamente compensando por seu valor agregado.

Conforme dados obtidos pela transportadora, em 2020 houve uma redução no custo do frete de 15% junto a seus clientes e um percentual ainda mais impactante no índice de avaria: 90%. Outro dado que surpreende é quando se compara a capacidade de carga entre o modal fluvial, rodoviário e ferroviário. Enquanto uma barcaça de 1500 toneladas corresponde a 56 carretas de 26 toneladas cada e a 15 vagões de 100 toneladas cada, um comboio com 15 barcaças (22.500 toneladas) substitui 870 carretas nas estradas e pouco mais de 2 composições com 100 vagões de um trem.

Além disso, a modalidade traz maior assertividade nos prazos de entregas, contribuindo com o planejamento dos estoques das empresas. Quem também agradece é o trânsito e o meio ambiente. O uso da via fluvial se reflete diretamente na redução do desgaste das rodovias e dos índices de acidentes nas estradas, ajudando a diminuir sinistros e roubo de cargas, além de colaborar com a sustentabilidade, permitindo uma menor emissão de poluentes na atmosfera.

A novidade da LF Transportes vem gerando resultados positivos para a própria empresa, que teve, em 2020, um aumento de 60% em seu faturamento devido à cabotagem fracionada. A empresa patenteou o serviço na Argentina e está em processo de obtenção do selo de exclusividade no Brasil, Uruguai e no Paraguai.

Para Flávio Zan, Diretor da LF Transportes, a proposta criada pela empresa significa uma "virada de chave para a cabotagem". Ele ressalta que, além dos benefícios para a economia e ambientais, outro aspecto importante é a contribuição social promovida pela cabotagem fracionada. "Os motoristas anteriormente demoravam até 22 dias para voltar para casa. Hoje, os contêineres são depositados no mesmo dia, permitindo que este profissional possa voltar para casa para ficar junto à sua família", explica.

E tudo indica que a modalidade só tende a crescer. "Temos um cliente de móveis, que iniciou em 2016 conosco o transporte de seus produtos do Rio Grande do Sul para as suas operações no Nordeste, e hoje todas as suas lojas no Ceará são 100% abastecidas desta forma", conta Zan.

Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO