Porto Alegre, terça-feira, 06 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 06 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pandemia

- Publicada em 03h00min, 06/10/2020.

Aéreas brasileiras se unem em movimento inédito

Objetivo é reforçar protocolos e, assim, promover a retomada do setor

Objetivo é reforçar protocolos e, assim, promover a retomada do setor


/Pascal POCHARD-CASABIANCA/AFP/JC
Responsabilidade é uma palavra que, durante a pandemia, atingiu um grau de relevância não antes medido ou imaginado. A conjuntura desafiadora imposta pelo coronavírus e a sensibilização da sociedade frente a uma crise mundial sem precedentes convocaram a todos a tomarem posição quanto a questões pessoais, profissionais, sociais e públicas. Temas nevrálgicos como miséria, racismo, homofobia, igualdade de gênero, diversidade e representatividade inflamaram-se na mesma proporção que a preocupação com a saúde e a preservação da vida diante de um mal invisível e mortal.
Responsabilidade é uma palavra que, durante a pandemia, atingiu um grau de relevância não antes medido ou imaginado. A conjuntura desafiadora imposta pelo coronavírus e a sensibilização da sociedade frente a uma crise mundial sem precedentes convocaram a todos a tomarem posição quanto a questões pessoais, profissionais, sociais e públicas. Temas nevrálgicos como miséria, racismo, homofobia, igualdade de gênero, diversidade e representatividade inflamaram-se na mesma proporção que a preocupação com a saúde e a preservação da vida diante de um mal invisível e mortal.
Na aviação comercial, esse serviço tão essencial à população e ao país, não foi diferente. No início da pandemia no Brasil, em março, a responsabilidade instigou a empatia e a solidariedade. "O que posso fazer pelo outro e pela sociedade usando minha expertise e os recursos de que disponho?" Nasceu desse questionamento a atitude das maiores companhias aéreas brasileiras de oferecer a gratuidade no transporte aéreo dos profissionais de saúde que precisam se locomover a outras cidades e estados brasileiros para tratar os doentes da Covid-19, um benefício oferecido até os dias de hoje.
Agora, em uma iniciativa inédita e especial, que coloca em segundo plano a competitividade e abre espaço a uma ação colaborativa em prol do bem comum, as mais destacadas empresas aéreas nacionais - Azul, Gol, Latam e Voepass - se unem para operar, em conjunto, um voo ainda mais alto, uma missão, a de reforçar um compromisso que é comum a todas elas: a preocupação com a Saúde e a Segurança de todos aqueles que as escolhem para voar durante o período atual, a que chamamos de "retomada". Seja o passageiro que precisar visitar a família que está distante, seja aquele que se desloca para realizar um trabalho ou desfrutar dias de lazer, o propósito dessas empresas é que o momento mágico representado por um voo venha sempre imbuído de tranquilidade e bem-estar, e não de medo e incertezas.
Lançando mão de procedimentos recomendados pelos órgãos competentes, as quatro companhias almejam esclarecer a sociedade sobre todas as medidas tomadas desde o início da pandemia, para que voar continue sendo um ato muito seguro, mesmo em tempos difíceis como os que estamos vivendo. Da presença de um poderoso sistema de filtro de ar nas cabines, o Hepa (High Efficiency Particulate Air), à desinfecção de grau hospitalar das superfícies internas dos aviões, todos os esforços se dão de forma a minimizar a possibilidade de contaminação pelo coronavírus em terra e no ar, nos aeroportos e no espaço partilhado que é uma aeronave.
Comentários CORRIGIR TEXTO