Porto Alegre, sexta-feira, 04 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 04 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tecnologia

- Publicada em 03h00min, 01/09/2020. Atualizada em 17h40min, 04/09/2020.

Brasil continua mal preparado para veículos autônomos

Carro autônomo está sendo usado para transportar testes de Covid-19 nos Estados Unidos

Carro autônomo está sendo usado para transportar testes de Covid-19 nos Estados Unidos


Mayo Clinic/Divulgação/JC
O Brasil continua sendo o país menos preparado para a adoção de veículos autônomos dentre todos os analisados no "Índice de Prontidão para Veículos Autônomos 2020" (AVRI 2020 ou 2020 Autonomous Vehicles Readiness Index, em inglês) da KPMG. A diferença em relação ao ano anterior é que, em 2019, eram 25 os países analisados, com o Brasil em último colocado e agora, em 2020, são 30 os países analisados, com o Brasil continuando a ocupar a última posição. Esses veículos contam com vários tipos de tecnologia que buscam ajudar ou até mesmo substituir o trabalho do motorista.
O Brasil continua sendo o país menos preparado para a adoção de veículos autônomos dentre todos os analisados no "Índice de Prontidão para Veículos Autônomos 2020" (AVRI 2020 ou 2020 Autonomous Vehicles Readiness Index, em inglês) da KPMG. A diferença em relação ao ano anterior é que, em 2019, eram 25 os países analisados, com o Brasil em último colocado e agora, em 2020, são 30 os países analisados, com o Brasil continuando a ocupar a última posição. Esses veículos contam com vários tipos de tecnologia que buscam ajudar ou até mesmo substituir o trabalho do motorista.
O índice da KPMG avaliou os países por meio de 28 indicadores para mensurar sua prontidão e progresso na promoção da implementação e inovação dos veículos autônomos. Os indicadores estão organizados em quatro critérios de avaliação: política e legislação; tecnologia e inovação; infraestrutura; e aceitação do consumidor. No Brasil, as posições foram as seguintes para cada um dos critérios: política e legislação (30º); tecnologia e inovação (30º); infraestrutura (30º); aceitação do consumidor (29º).
"O governo brasileiro está fazendo pouco para incentivar a adoção de veículos autônomos e, apesar do entusiasmo dos consumidores no País por novas tecnologias e serviços, não há ainda políticas públicas de incentivo para esses tipos de veículos. Fomos superados por Hungria, Rússia, Chile, México e Índia. O desempenho brasileiro poderia ser impulsionado por mais pesquisas e programas de incentivos governamentais", afirma Mauricio Endo, sócio-líder de Governo da KPMG no Brasil e na América do Sul.
Os resultados também revelaram que a maioria dos países aumentou sua prontidão para os veículos autônomos, com 17 dos 25 países listados no índice 2019 aumentando suas pontuações em 2020.
A liderança deste ano ficou com Cingapura e Holanda (que mantiveram a primeira e segunda colocação, respectivamente) e Noruega, que se manteve na terceira posição. De acordo com o AVRI 2020, os dez países mais preparados para um futuro com meios de transporte autônomos são os seguintes:
Cingapura e Holanda são líderes na promoção de veículos elétricos (VEs), precursores essenciais dos veículos autônomos. Cingapura planeja aumentar massivamente o número de estações de carga de VEs, de 1.600 para 28.000 até 2030, enquanto a Holanda tem o maior número de estações de carga de VEs per capita. A Noruega é líder mundial na adoção de VEs e, além de extensos testes de veículos autônomos, estabeleceu três rotas de ônibus autônomos em Oslo.
Os Estados Unidos se destacam como sede de 420 empresas de veículos autônomos, o que corresponde a 44% de todas as empresas dessa natureza rastreadas no relatório. A Coreia do Sul registrou o maior crescimento em relação ao ano anterior e ocupa agora a sétima posição. O país foi impulsionado pela introdução de uma estratégia nacional para veículos autônomos, publicada em outubro de 2019, que espera reduzir as mortes nas estradas no país em 75%.
Sobre a pandemia da Covid-19, o índice revelou que os veículos sem motoristas poderão ser importantes para o atendimento dos novos requisitos de movimentação de pessoas e mercadorias. Por exemplo, o transporte público pode ser parcialmente aliviado por micro-ônibus autônomos sob demanda, para promover o distanciamento social, e veículos autônomos para transporte e entrega de produtos sem contato.
Pela primeira vez, o estudo da KPMG também apresentou casos de municípios com iniciativas de veículos autônomos relevantes: Pequim, Detroit, Helsinque, Pittsburgh e Seul.
Comentários CORRIGIR TEXTO