Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Veículos

- Publicada em 02h21min, 21/01/2020. Atualizada em 03h00min, 21/01/2020.

Para montadoras, venda de caminhões subirá 18% em 2020

No ano passado, empresas venderam 101,4 mil unidades no Brasil, uma alta de 33% ante 2018

No ano passado, empresas venderam 101,4 mil unidades no Brasil, uma alta de 33% ante 2018


/MERCEDES-BENZ/DIVULGAÇÃO/JC

O mercado brasileiro de caminhões continuará aquecido neste ano e deve crescer 18%, para 120 mil unidades, segundo projetam as fabricantes. Será o quarto ano seguido de alta nas vendas, após o setor registrar seu pior momento em 17 anos, com 50,6 mil veículos vendidos em 2016, em plena crise econômica.

O mercado brasileiro de caminhões continuará aquecido neste ano e deve crescer 18%, para 120 mil unidades, segundo projetam as fabricantes. Será o quarto ano seguido de alta nas vendas, após o setor registrar seu pior momento em 17 anos, com 50,6 mil veículos vendidos em 2016, em plena crise econômica.

"Neste ano será a consolidação da retomada", afirma Roberto Cortes, presidente da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO). Também será um ano de importantes novidades, como o início da produção do primeiro caminhão elétrico e do primeiro veículo sem retrovisores.

Em 2019, foram vendidos 101,3 mil caminhões, alta de 33% ante o ano anterior. "Nossa previsão era vender 2 mil unidades a mais, mas mesmo assim foi um crescimento robusto, o dobro do que vendemos em 2016", diz o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes.

O aumento esperado para 2020, embora menor que o do ano passado, anima as empresas que já venderam 172,8 mil caminhões em 2011, o recorde do setor. "Acreditamos que as renovações de frota acontecerão numa velocidade maior e num tempo menor neste ano, o que manterá as vendas aquecidas no País", diz Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz.

Cortes, da Volkswagen, ressalta que a indústria de caminhões é um termômetro da economia e sua crescente recuperação afeta diretamente o mercado. Ele vê vários motivos para o ambiente favorável deste ano, entre os quais os indicadores econômicos positivos (PIB de 2,5%, juro baixo e continuidade de reformas), retomada de investimentos em infraestrutura e na construção civil e renovação de frota.

"Muitos frotistas que deixaram de trocar de caminhões na crise vão voltar a comprar", prevê Cortes. Segundo ele, a idade média dos veículos de grandes frotistas normalmente é de três a cinco anos. "Hoje, essa idade está entre sete e oito anos, o que é ruim, pois desvaloriza o ativo das empresas." Já um programa de renovação oficial de frota, reivindicado pelo setor há vários anos e que envolve ações do governo, como incentivo à troca por veículos mais novos, "depende de outros fatores, inclusive políticos".

A produção de caminhões cresceu menos que as vendas - 7,5%, com 113,5 mil unidades - em razão da queda de 45% na exportação e do fechamento da Ford no ABC paulista. Por seis meses, o grupo brasileiro Caoa negociou a compra da fábrica mas, o negócio não foi adiante. No fim do ano, o grupo chinês BYD foi citado como interessado, mas ainda não confirmou a informação.

Pesados lideraram crescimento em 2019

Modelos grandes são utilizados em mineração e transporte de grãos
Modelos grandes são utilizados em mineração e transporte de grãos
/MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC

Ao contrário dos últimos anos, cujas vendas foram puxadas pelo segmento de caminhões grandes, usados na mineração e no transporte de grãos, o setor aposta que neste ano haverá reação também nas demais categorias, como a de caminhões médios e pequenos para transporte geral de mercadorias.

As vendas de pesados em 2019 cresceram 48,7% (51,7 mil unidades), enquanto as de semipesados e médios aumentaram 30% (23,3 mil e 10 mil). O pequenos registraram queda de 2,6% (11,2 mil).

Voltadas ao mercado de caminhões de grande porte, a Volvo e a Scania registram maiores altas de vendas, de 58,3% (16,8 mil unidades) e 47,6% (12,7 mil). A líder Mercedes cresceu 41,6% (29,5 mil) e a VWCO, 32% (26,7 mil), segundo a Anfavea, que contabiliza veículos com capacidade a partir de 3,5 toneladas de carga.

Veículos elétricos e sem retrovisor devem chegar neste ano ao mercado brasileiro

Entre as novidades esperadas para o segmento de caminhões, duas são destaque. A Volkswagen Caminhões e Ônibus iniciará, no fim do ano, a produção em série do elétrico e-Delivery. Hoje, a fábrica de Porto Real (RJ) já produz algumas unidades para testes. A empresa definiu um grupo de oito fornecedores de peças e serviços que vão se instalar dentro do complexo para operar em forma de consórcio modular, como já ocorre com os veículos convencionais.

As empresas do e-Consórcio são Weg (motores), CATL e Moura (baterias), Bosch (sistema elétrico), Siemens (serviços e sistemas de recargas de baterias), Eletra (parceria tecnológica) e Meritor (desenvolvimento de engenharia e produção).

A VWCO tem contrato de intenção de compra de 1,6 mil unidades do e-Delivery com a Ambev e seus distribuidores e mais 50 interessados que, por enquanto, não informaram quantidades que pretendem adquirir.

Roberto Cortes, presidente da empresa, discute atualmente com o governo federal medidas para reduzir o custo dos caminhões elétricos - que custam mais que o dobro de um convencional a diesel.

Entre as medidas sugeridas estão a redução do imposto de importação das baterias (por enquanto não fabricadas no País), crédito fiscal e isenção de pedágio e de estacionamento.

"É preciso levar em conta os benefícios dos veículos elétricos, como menos emissões de poluentes, menos ruídos e menos custo de manutenção, entre outros", afirma Cortes.

A Mercedes-Benz iniciará, em abril, as entregas do caminhão Actros sem retrovisores, produzido na fábrica do ABC paulista. Duas telas dentro da cabine permitem um campo de visão de alta definição e alcance de 2oo metros, e tem alerta de pedestres.

"Além de maior segurança ao motorista, o MirrorCan reduz o consumo de combustível em 0,5% a 1% por melhorar a aerodinâmica ao eliminar dois grandes espelhos", diz Philipp Schiemer, presidente da empresa.

Comentários CORRIGIR TEXTO