Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 29 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Edição impressa de 29/11/2019. Alterada em 29/11 às 03h00min

Governo conclui estudos para concessão da Via Dutra e sugere tarifa menor para usuário

A Empresa de Planejamento e Logística (EPL) concluiu os estudos necessários para a nova concessão da Rodovia Presidente Dutra, que liga o Rio a São Paulo. Esse passo é necessário para o governo fazer um novo leilão da rodovia, o que está previsto para ocorrer em 2020. O contrato atual da Via Dutra, hoje administrada pela CCR, vence em março de 2021. Mas o governo quer acelerar o processo para que, assim que a atual concessionária saia da pista, a nova empresa já passe a administrar a via.
A Empresa de Planejamento e Logística (EPL) concluiu os estudos necessários para a nova concessão da Rodovia Presidente Dutra, que liga o Rio a São Paulo. Esse passo é necessário para o governo fazer um novo leilão da rodovia, o que está previsto para ocorrer em 2020. O contrato atual da Via Dutra, hoje administrada pela CCR, vence em março de 2021. Mas o governo quer acelerar o processo para que, assim que a atual concessionária saia da pista, a nova empresa já passe a administrar a via.
O leilão da Via Dutra será feito por um modelo que irá misturar menor tarifa de pedágio e maior outorga para a União. Haverá um piso para a tarifa de pedágio. A partir dele, vence o leilão a empresa que oferecer maior valor de outorga ao governo. O objetivo do Ministério da Infraestrutura é evitar que empresas consideradas aventureiras ofereçam propostas "irreais" para a rodovia e depois precisem devolver a estrada.
O documento da EPL sugere a possibilidade da utilização de descontos na tarifa para usuários frequentes. A medida reduziria progressivamente o valor da tarifa para os veículos que façam trajetos de ida e volta repetidas vezes pelas mesmas praças de pedágio. O projeto também prevê a cobrança de valores diferenciados para trechos de pista simples e pista dupla.
O governo prevê ainda um modelo diferente de cobrança de pedágio, que deve ser limitado a trechos da rodovia localizados na região metropolitana de São Paulo. Esse sistema, chamado de free flow, permite a cobrança de pedágio sem a necessidade de cancelas.
O projeto altera a concepção atual da concessão, limitando o trecho da BR-116 situado entre os entroncamentos da rodovia com a BR-465/RJ, em Seropédica, com a Marginal Tietê, em São Paulo.
 
leia mais notícias de Logística
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia