Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

saneamento

- Publicada em 03h43min, 13/09/2019. Atualizada em 03h00min, 13/09/2019.

Analistas divergem sobre necessidade de maior investimento privado no saneamento

Participação privada no setor já existe em 58% dos municípios com menos de 20 mil habitantes

Participação privada no setor já existe em 58% dos municípios com menos de 20 mil habitantes


/ANTONIO PAZ/ARQUIVO/JC
A necessidade de maior investimento privado no setor de saneamento dividiu especialistas na primeira audiência pública da comissão especial da Câmara que discute a proposta de um novo marco para o setor. Para defender seus pontos de vista, tanto governo quanto contrários ao projeto de lei que atualiza as regras de saneamento utilizaram dados sobre o acesso da população ao saneamento básico e recursos necessários para a universalização. As discordâncias, no entanto, também foram registradas nos números.
A necessidade de maior investimento privado no setor de saneamento dividiu especialistas na primeira audiência pública da comissão especial da Câmara que discute a proposta de um novo marco para o setor. Para defender seus pontos de vista, tanto governo quanto contrários ao projeto de lei que atualiza as regras de saneamento utilizaram dados sobre o acesso da população ao saneamento básico e recursos necessários para a universalização. As discordâncias, no entanto, também foram registradas nos números.
O governo entende que, para universalizar o setor, é necessário um investimento de cerca de R$ 600 bilhões até 2033. "Nós precisamos de R$ 597,8 bilhões para universalizar o saneamento até 2033, de acordo com Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab). Nisso, 40% são recursos federais e 60% de outros agentes", disse o Chefe de Gabinete da Secretaria Nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional, Geraldo Melo Correa.
Contrário à proposta do novo marco, o representante do Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento (Ondas), Abelardo de Oliveira Filho, afirmou que são necessários R$ 357 bilhões para o saneamento - segundo ele, também de acordo com os dados do Plansab. Oliveira discordou também dos dados do governo que apontam que 103,2 milhões de brasileiros estão sem acesso a esgotamento sanitário, e 40,8 milhões sem abastecimento de água. Ele disse que, no caso de abastecimento de água, 96,6% dos domicílios no Brasil contam com atendimento adequado.
Melo, por outro lado, defendeu a credibilidade dos números usados pelo governo, que vêm do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis). "Dados são dados, que são feitos a partir de uma consulta aos municípios, titulares, concessionárias", explicou o chefe da Secretaria de Saneamento. Segundo ele, as políticas públicas para o setor são baseadas justamente nos dados do Snis. Melo afirmou que não há recurso público suficiente para o Brasil alcançar a universalização do setor. "A gente tem que buscar outras fontes de recurso", pontuou.
A proposta de um novo marco do saneamento, de autoria do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), foi aprovada pelo Senado em junho deste ano. O texto facilita a abertura do setor para a iniciativa privada e a intenção de alguns estados de privatizar ou capitalizar companhias estatais e agora precisa ser aprovado pela Câmara.
O subsecretário de Regulação e Mercado do Ministério da Economia, Gabriel Godofredo de Bragança afirmou que o oferecimento de um serviço privado de qualidade no setor de saneamento depende de regulação e contratos adequados. "Não se trata de público ou privado, se trata de uma realidade de restrição fiscal, e a gente garantir uma regulação adequada, modelagem adequada, e ambiente de competição para que o capital público ou privado possa perseguir o objetivo da universalização", disse Bragança.
Ele também participou da primeira audiência pública da comissão especial da Câmara dos Deputados para debater a proposta de um novo marco do saneamento básico. Segundo o subsecretário, a participação privada no setor de saneamento já existe em 58% dos municípios com menos de 20 mil habitantes, sendo 27% em cidades com até cinco mil habitantes. "A gente tem uma participação privada - se na ordem geral das coisas financeiramente é pequena - em termos de número atendidos é cada vez mais relevante", afirmou.
Segundo Bragança, são três pontos principais no projeto de lei que atualiza o marco: segurança jurídica, a existência dos blocos - em que o serviço atende cidades pouco atrativas para a iniciativa privada com grandes centros urbanos - e a uniformização regulatória. "A ideia dos blocos é fundamental porque é verdade, sim, que há municípios mais sustentáveis e outros menos sustentáveis", disse.
Comentários CORRIGIR TEXTO