Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de junho de 2019.
Dia da Liberdade de Imprensa.

Jornal do Comércio

JC Logística

CORRIGIR

Infraestrutura

Edição impressa de 07/06/2019. Alterada em 07/06 às 03h00min

Parlamentares lançam frente para agilizar projetos

Retomada dos investimentos pelo PPI poderia melhorar a qualidade das estradas brasileiras

Retomada dos investimentos pelo PPI poderia melhorar a qualidade das estradas brasileiras


/GABRIEL JABUR/DIVULGAÇÃO/JC

Com objetivo de promover uma mediação entre o Parlamento e o Executivo no desenvolvimento de obras de infraestrutura e logística e o aprimoramento da legislação federal no setor, deputados e senadores lançaram a Frente Mista de Logística e Infraestrutura (Frenlogi).

Com o apoio de 216 parlamentares, a frente se propõe a trazer as demandas de investidores e operadores para a agenda do Congresso Nacional. Segundo o presidente da Frenlogi, senador Wellington Fagundes (PL-MT), a iniciativa tem como foco a desburocratização de projetos de concessões de rodovias, ferrovias, portos e também agilizar projetos nas áreas de armazenagem, dutos e energia.

"A frente tem uma ambiciosa missão de construir uma aliança setorial entre os operadores da infraestrutura, o Congresso Nacional e o Executivo, para buscar a ampliação do PIB no setor de transportes", disse o senador durante o ato de lançamento da frente. "Nós parlamentares temos o compromisso com todos os operadores da logística de buscar e instituir ações e projetos em busca da modernização e da eficiência do setor."

O senador destacou como uma das questões a ser tratada pela frente o aumento da pavimentação da malha viária nacional, por onde trafegam 63% das cagas movimentadas no País. De acordo com Fagundes, dos cerca de 1,6 milhão de quilômetros de malha viária do País, pouco mais de 13,7% são pavimentados.

O presidente da frente disse que uma saída é retomar os investimentos por meio de concessões previstas no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), o que poderia agilizar a melhoria da qualidade das rodovias. A previsão do governo é de conceder à iniciativa privada pouco mais de 14 mil quilômetros de rodovias.

"Temos a convicção de que a ampliação do PPI, no que se refere às concessões de estradas, será essencial. Apoiamos as concessões, mas temos que garantir a trafegabilidade e melhoria da malha sob manutenção do Departamento Nacional de Infraestrutura Rodoviária (Dnit). Não podemos voltar à época só de operações tapa buracos. Estamos otimistas e ao mesmo tempo vigilantes", disse. Outro ponto defendido pela frente é o aumento da rede ferroviária. Uma das propostas é trabalhar para ampliar a participação desse modal no transporte de cargas dos atuais 15% para 31% até 2025.

O vice-presidente da frente, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), fez uma analogia com o corpo humano para defender que é preciso incrementar a interligação entre rodovias, ferrovias e portos para que o País aumente a sua competitividade logística.

"Não adianta o corpo produzir as coisas, os pulmões trazerem o oxigênio se o sangue não circula. Há necessidade dessa conectividade entre os modais logísticos, eles não disputam entre si, eles são complementares", disse. "Não é o Legislativo de forma isolada que vai resolver o problema da logística, por isso a frente é um canal."

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse que o governo tem o mesmo desafio da frente, de aumentar a infraestrutura do País e que a relação do Executivo com o Parlamento vai ser "transformadora". "Eu aposto muito na frente, que pode ser um grande veículo para nos ajudar a verbalizar essas demandas e construir juntos as soluções", disse o ministro durante a cerimônia.

leia mais notícias de Logística
CORRIGIR