Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Gestão

- Publicada em 15h17min, 28/07/2020.

Pesquisa aponta relevância do Informe de Governança para profissionais de investimentos

Para investidores, documento é mais importante do que outras fontes

Para investidores, documento é mais importante do que outras fontes


/JANNOON028 - FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
A nova edição da pesquisa Pratique ou Explique, sobre o uso do Informe de Governança com base no Código Brasileiro de Governança Corporativa - Companhias Abertas, indica que, para 96% dos respondentes, o Informe tem relevância para a análise do investimento, enquanto 90% acham que as informações têm impacto nas recomendações ou decisões de investimento. O modelo pratique ou explique refere-se a dar transparência sobre a estrutura de governança corporativa adotada pelas companhias abertas.
A nova edição da pesquisa Pratique ou Explique, sobre o uso do Informe de Governança com base no Código Brasileiro de Governança Corporativa - Companhias Abertas, indica que, para 96% dos respondentes, o Informe tem relevância para a análise do investimento, enquanto 90% acham que as informações têm impacto nas recomendações ou decisões de investimento. O modelo pratique ou explique refere-se a dar transparência sobre a estrutura de governança corporativa adotada pelas companhias abertas.
Isto se confirma no fato de que 82% dos respondentes fizeram pelo menos uma consulta ao Informe para definir suas decisões ou recomendações. Ainda assim, 89% indicaram que as justificativas das companhias para a não aderência - parcial ou total - às práticas recomendas pelo Código deveriam ser mais precisas e objetivas, enquanto uma parcela de apenas 7% crê que elas sejam adequadas.
O estudo, realizado por um Grupo de Trabalho (GT) formado por várias entidades atuantes no mercado de capitais, teve como objetivo verificar o nível de utilização do Informe de Governança por parte dos investidores, analisar sua percepção de valor junto a esse público e obter informações que deem embasamento às propostas de mudanças do Informe aos reguladores.
"Para que o modelo pratique ou explique seja bem-sucedido no país, é necessário que haja um forte comprometimento no sentido de propor melhorias à qualidade das informações fornecidas pelas companhias quanto às suas práticas da governança corporativa em seu dia a dia. Vale lembrar que tais propostas também podem partir dos investidores", explica Pedro Melo, diretor geral do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), uma das entidades integrantes do GT.
Os dados foram coletados entre os meses de fevereiro e março de 2020 junto a profissionais atuantes na área de investimentos em ações de empresas listadas na bolsa, usando as bases de contatos da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec), Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) e Associação dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais (Apimec). Os resultados da pesquisa têm origem nas respostas da amostra 62 pessoas, entre analistas de investimentos, gestores de recursos e investidores. Em decorrência da pandemia da Covid-19, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) prorrogou os prazos regulatórios em 2020 para o dia 30 de setembro, 60 dias além do limite estabelecido anteriormente para a entrega do Informe.
"É sempre importante entender a percepção do investidor em relação a como as empresas se adequam às recomendações de governança corporativa. O resultado da pesquisa evidencia a relevância do Informe para investidores institucionais nacionais e estrangeiros. E a adoção de determinada prática, ou explicação clara e objetiva pela não adoção, pode influenciar de maneira significativa a decisão de investimento", comenta Fábio Coelho, presidente executivo da Amec.
A pesquisa aponta ainda que, para os investidores consultados, o Informe de Governança é considerado mais relevante do que outras fontes sobre governança disponíveis no mercado, embora reconheçam não estarem seguros de que as informações fornecidas pelas empresas reflitam, de fato, à sua própria governança corporativa.
Os resultados do estudo deram ao Grupo Trabalho a percepção de que existe espaço para que sejam feitas melhorias no Informe. Entre elas estão o foco no aprimoramento da qualidade das informações apresentadas todos os anos pelas empresas e ajustes no formato para que ele seja mais amigável aos leitores e facilite a busca pelas informações das companhias.
Comentários CORRIGIR TEXTO