Porto Alegre, segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Aniversário da cidade de Viamão.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 14 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Auditoria

- Publicada em 15h21min, 30/06/2020. Atualizada em 17h56min, 01/07/2020.

Maior parte das firmas de auditoria pretende manter seus colaboradores

Presidente do Ibracon, Francisco Sant'Anna, salienta que capital humano e investimento em tecnologia têm sido cruciais para a manutenção das atividades de auditoria

Presidente do Ibracon, Francisco Sant'Anna, salienta que capital humano e investimento em tecnologia têm sido cruciais para a manutenção das atividades de auditoria


ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
O Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon) realizou no mês de abril um levantamento com suas firmas associadas, identificando que o novo coronavírus, apesar de afetar o setor, não deve gerar demissões. De acordo com a pesquisa, 62% das empresas pretendem manter seu quadro de colaboradores até, pelo menos, agosto, mostrando a resiliência e a força do setor.
O Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon) realizou no mês de abril um levantamento com suas firmas associadas, identificando que o novo coronavírus, apesar de afetar o setor, não deve gerar demissões. De acordo com a pesquisa, 62% das empresas pretendem manter seu quadro de colaboradores até, pelo menos, agosto, mostrando a resiliência e a força do setor.
Além disso, a tecnologia é apontada como uma importante aliada neste momento: 96% das firmas de auditoria respondentes que estavam total ou parcialmente preparadas para desempenhar suas atividades de maneira remota.
"Os resultados da pesquisa demonstram o quanto o capital humano é importante para nossa atividade", analisa o presidente do Ibracon, Francisco Sant'Anna. Para ele, o conhecimento técnico, aliado à tecnologia, permite que o setor continue atuando e atendendo seus clientes, mesmo diante de um grave cenário global. "A pandemia mostrou-nos que a auditoria independente no Brasil está madura e tem plenas condições de prestar um apoio importante e útil no processo de retomada que virá pela frente", complementa.
A pesquisa indicou que, para manter os postos de trabalho, as firmas estão utilizando as medidas editadas pelo governo, como antecipação de férias individuais ou coletivas (65,4% das ouvidas), adiamento e pagamento parcelado de tributos (53,8%) e redução de jornada de trabalho e salários (23,1%).
Entretanto, pela natureza da atividade que presta serviços a todos os setores da economia, as firmas de auditoria acreditam que vão sofrer consequências ao longo da pandemia. Segundo o levantamento, cerca de 40% destas firmas tiveram um impacto alto em suas atividades e 53% estimam também um impacto significativo em seu fluxo financeiro.
"A pandemia atingiu todos os setores de maneira marcante e isso se refletiu nos serviços de auditoria independente", pondera o presidente do instituto. "Algumas atividades foram mais impactadas, como as de campo, que não puderam ser realizadas. Contudo, apesar dessas dificuldades, me alegro em ver que o setor estava preparado e está conseguindo superar as adversidades".

Pesquisa revela aumento das ações solidárias entre empresas do setor

A pesquisa realizada pelo Ibracon revelou, ainda, que as firmas de auditoria estão ainda mais empenhadas no apoio à sociedade e à população em situação de vulnerabilidade durante a pandemia do novo coronavírus. Cerca de 30% das firmas respondentes estão participando de ações solidárias. 

Dentre elas, estão o apoio financeiros a ONGs e a doação de alimentos e auxílio para famílias. Além disso, também estão sendo realizadas contribuições para a produção de máscaras e de equipamento de proteção individual (EPI).

Paralelamente, as firmas de auditoria independente associadas ao Ibracon estão contribuindo com o seu recurso mais importante: o capital intelectual. Através de uma rede de compartilhamento de informações e de inteligência, as firmas estão criando estruturas de auxílio para gerir crises e permitir atividades no setor da saúde.

As ações incluem o apoio aos governos, como o suporte no gerenciamento de crise, em Pernambuco e em São Paulo; apoio ao Ministério da Economia no gerenciamento de demandas do setor privado; a criação de sistemas de controle e administração de recursos e equipamentos hospitalares; uso de tecnologia para monitorar casos da doença e tratamentos médicos, dentre outros.

Além disso, o Ibracon e as firmas associadas também estão participando de uma rede global de compartilhamento de informações e de inteligência para apoiar outras nações de língua portuguesa.

Comentários CORRIGIR TEXTO