Porto Alegre, quarta-feira, 11 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Contribuintes

Notícia da edição impressa de 11/03/2020. Alterada em 11/03 às 03h00min

Impostos podem ser pagos com pontos de fidelidade

Inédita no País, a solução foi lançada pelo Banco do Brasil na semana passada

Inédita no País, a solução foi lançada pelo Banco do Brasil na semana passada


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC

Pagar impostos e contas domésticas sem gastar dinheiro, consumindo pontos de programa de fidelidade em vez de desembolsar reais. Inédita no País, a solução foi lançada pelo Banco do Brasil (BB).

Pagar impostos e contas domésticas sem gastar dinheiro, consumindo pontos de programa de fidelidade em vez de desembolsar reais. Inédita no País, a solução foi lançada pelo Banco do Brasil (BB).

Desde a semana passada, o cliente pode usar pontos do programa de relacionamento da instituição financeira para quitar contas de água, de luz, de telefone e de televisão por assinatura, além de pagar tributos. O correntista não paga taxas nem tarifas para realizar a transação.

O serviço representa mais uma etapa na evolução dos programas de fidelidade. Inicialmente restritos a companhias aéreas, esses serviços se difundiram ao longo dos últimos 10 anos. Segundo a Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização (Abemf), a troca de pontos migrou primeiramente para as compras on-line, depois para o varejo físico.

Nos últimos anos, os bancos passaram a permitir que os clientes usassem pontos para restituir valores debitados em conta-corrente.

A pontuação varia conforme os gastos em estabelecimentos parceiros dos programas e geralmente é atrelada à cotação do dólar e ao tipo de cartão de crédito. Cada dólar gasto pelo cliente é revertido em determinado número de pontos, que varia conforme a bandeira e a categoria do cartão.

Pelas estatísticas mais recentes da Abemf, o mercado de empresas de fidelidade movimentou R$ 3,7 bilhões no primeiro semestre do ano passado. O valor representa alta de 12,7% em relação ao mesmo período de 2018.

O percentual de pontos expirados, que não podem mais ser trocados, caiu de 19,8% no segundo trimestre de 2018 para 17,4% no mesmo trimestre de 2019.

Assembleia avalia projeto para pagar débitos com IPVA em blitz

O governo do Estado protocolou na Assembleia o Projeto de Lei 45/20, que institui o Programa Veículo Legal. A proposta foi inspirada no PL 111/2019, de autoria do deputado Sebastião Melo, que tramitou ano passado no Parlamento.

Devido à inconstitucionalidade do texto, foi vetado pelo governo. Posteriormente, reuniões com as assessorias técnicas do deputado Melo e do Executivo foram realizadas para sanar as pendências legais referentes ao teor da proposição.

A proposta cria a possibilidade de o proprietário ou o condutor do veículo, quando abordado em operações programadas de fiscalização de trânsito estaduais, realizar no ato o pagamento de eventuais débitos e encargos financeiros existentes, por meio de sistema bancário eletrônico.

Dessa forma, evitaria a remoção do veículo nas situações em que for constatada, como irregularidade, exclusivamente a falta de pagamento desses débitos. O texto enviado à Assembleia Legislativa foi protocolado em regime de urgência. Com isso, tem 30 dias para ser apreciado e, após o prazo, tranca a pauta de votações.