Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Legislação

Edição impressa de 12/02/2020. Alterada em 12/02 às 18h09min

Público LGBT tem dificuldade para acessar a Previdência

Mais de 9,5 mil casais homoafetivos decidiram se unir formalmente em 2018

Mais de 9,5 mil casais homoafetivos decidiram se unir formalmente em 2018


FREDY VIEIRA/ARQUIVO/JC
 Os casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo dispararam em 2018 na comparação com o ano anterior. Segundo as Estatísticas de Registro Civil, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou em dezembro passado, mais de 9,5 mil casais homoafetivos decidiram se unir formalmente em 2018, frente a 5,8 mil em 2017, o que representa um aumento de 61,7%. Apesar do crescimento, o casamento entre homossexuais corresponde a somente 0,9% do total de uniões registradas no País.
 Os casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo dispararam em 2018 na comparação com o ano anterior. Segundo as Estatísticas de Registro Civil, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou em dezembro passado, mais de 9,5 mil casais homoafetivos decidiram se unir formalmente em 2018, frente a 5,8 mil em 2017, o que representa um aumento de 61,7%. Apesar do crescimento, o casamento entre homossexuais corresponde a somente 0,9% do total de uniões registradas no País.
Os registros de casamento homoafetivo tiveram um aumento expressivo, sobretudo, nos últimos meses de 2018. À época, a então presidente da Comissão da Diversidade Sexual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Maria Berenice Dias, recomendou que as pessoas oficializassem seus relacionamentos até o final do ano. "Como o presidente eleito era e é declaradamente homofóbico, entendi por bem incentivar que as pessoas se protegessem. Ele tem, até hoje, a possibilidade de baixar medidas provisórias e negar acesso ao casamento", destaca.
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia