Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Edição impressa de 12/02/2020. Alterada em 12/02 às 03h00min

Benefícios da terceirização de serviços nas atividades empresariais

Duarte alerta para compromisso do profissional do setor contábil com a nova alteração do código civil

Duarte alerta para compromisso do profissional do setor contábil com a nova alteração do código civil


FORTUS CONSULTORIA/DIVULGAÇÃO/JC
João Batista Custódio Duarte
CEO da Fortus Group
CEO da Fortus Group
Com a reforma trabalhista ficou permitida a terceirização em todas as atividades empresariais, independente do estágio produtivo que se relacione, seja meio ou fim. Porém, segue sendo muito comum e bem positivo terceirizar as atividades meio, ainda mais se o empreendimento é de pequeno ou médio portes. Entre as áreas que são recorrentes na terceirização estão a de contabilidade, financeira, tributária, RH, tesouraria e a jurídica, que é executada através de parceiros. Porém, grandes empresas também têm setores terceirizados, como por exemplo, parte da contabilidade ou do RH do negócio, dependendo muito da necessidade da organização.
E entre os motivos para terceirizar algumas atividades está a questão do tempo. Se a empresa for se preocupar com assuntos que não faz parte de sua atividade fim, estará tirando o precioso tempo do gestor e do empreendimento como um todo para atender uma atividade que não é seu foco principal. Outra razão passa pelo fator custo. Hoje, com o alto nível de exigência que demandam os setores da contabilidade, de RH, tributário e jurídico, é necessário ter muito conhecimento, o que uma única pessoa acaba não possuindo.
Assim, se as atividades desses ramos fossem internalizadas, seria preciso uma equipe para atender a demanda, o que é dispendioso ao final de cada mês, pois, devido à escassez de profissionais qualificados nessas áreas, o valor salarial pago a eles é significativamente alto. Além disso, a empresa teria que dispor ainda de espaço físico e de uma estrutura com computadores, software, material de expediente, fora o tempo para gerir esses profissionais.
Logo, é importante ressaltar que o compromisso do profissional do setor contábil com a nova alteração do código civil aumentou muito. Atualmente, o contador tem uma responsabilidade pela qualidade da informação contábil. Inclusive hoje é recomendado que tenha seguro de responsabilidade civil em razão do risco que corre. Exemplificando, podemos dizer que se numa ação de órgãos de fiscalização forem analisados balanços e as contas não refletirem a realidade das empresas, os contadores também são responsabilizados e não só os responsáveis legais pelas companhias.
Desta forma, a empresa que terceiriza alguma área de seu negócio, como a contábil, tem a obrigação de passar a quem cuidará desta parte, toda documentação que reflete no setor financeiro da empresa em questão. Isso quer dizer tudo que for relativo à entrada e saída de recursos e que comprove essa movimentação, como documentos de compra, notas fiscais de venda, extratos bancários, entre outros.
Outra importante terceirização ocorre no ramo de tesouraria, ou seja, contas a pagar e a receber. Esse serviço é utilizado por muitos clientes, principalmente pelas empresas de outros países instaladas no Brasil.
Porém, é fundamental ressaltar que funcionários que trabalham em regime CLT quando demitidos, para voltarem a mesma empresa, mesmo que de maneira terceirizada, precisam cumprir quarentena de 18 meses. Além disso, é essencial destacar que todos os direitos trabalhistas são assegurados aos profissionais terceirizados, inclusive o que está definido no acordo coletivo da categoria.
No caso do descumprimento ou não pagamento de algum direito, a empresa que contrata os serviços da terceirizada só pode ser responsabilizada pelo pagamento de déficits trabalhistas depois que a empresa terceirizada deixar de pagar a condenação. Entretanto, a terceirização acaba por não ser indicada quando seu custo é superior à soma de todas as despesas já mencionadas, ou pela razão de o serviço ser por demais crítico para a empresa, requerendo maior agilidade.
 
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia